Notícia

Os perigos escondidos em jogos de internet

Jogadores viciados acabam vítimas de crimes sem perceber

No último domingo, o “Fantástico”, da TV Globo, exibiu uma reportagem mostrando que o vício em jogos virtuais pode abrir portas para crimes reais, como a pedofilia, além de clonagem de cartões e prostituição. É que os jogadores viciados não conseguem perceber o que é certo e o que é errado no ambiente virtual, tornando-se vítimas potenciais de crimes na web.

O psicólogo Adriano Pereira Jardim, especialista em Psicologia do Desenvolvimento e da Personalidade, explica que os jogos têm influência distinta sobre cada jogador. Mas que o exagero, quando tem início, passa a ter ação sempre parecida.

“Quando começa o vício, a maioria dos jogadores vai substituir totalmente as tarefas cotidianas pelas fases e dificuldades do jogo. E isso tudo sem perceber. Você pula uma refeição, esquece a hora dos compromissos, deixa de tomar banho na hora certa. E a compulsão se instala silenciosamente”, alerta.

Em muitos casos, jogadores oferecem fotos íntimas a moderadores em troca de benefícios como diamantes, que são as moedas virtuais existentes nos games
Em muitos casos, jogadores oferecem fotos íntimas a moderadores em troca de benefícios como diamantes, que são as moedas virtuais existentes nos games
Foto: Vitor Jubini

Permissão

Na denúncia exibida no programa são citados os moderadores. Aquelas pessoas contratadas pelas empresas de jogos para fiscalizar e orientar novos jogadores. Com o poder nas mãos, muitos deles acabam cobrando um “extra” para beneficiar alguém. Entre os favores estão fotos íntimas. E as vítimas enviam sem medo, tudo para ganhar mais pontos no jogo.

É que é justamente nessa fase, quando o jogo substitui completamente a rotina diária, que o jogador está mais exposto a possíveis crimes, afirma o psicólogo Adriano Jardim. “Se você perde o controle das atividades mais simples do dia a dia, é um escravo do jogo. A próxima etapa é ficar anestesiado também para o que é errado, para o senso crítico. Aí entram os crimes. Alguém vai se aproveitar da sua incapacidade de achar estranho ter que fazer fotos sem roupa, por exemplo”, orienta.

Tendência

O investigador da Polícia Civil Eduardo Pinheiro Monteiro, especialista em crimes eletrônicos, explica que é cada vez mais comum criminosos utilizarem ambientes virtuais como jogos online e sites de conteúdo erótico para a prática de crimes. E esse tipo de delito só aumenta, principalmente entre os jogadores mais novos.

“Crianças e adolescentes, por serem curiosos, impulsivos e ingênuos, são as maiores vítimas de pedófilos e vigaristas virtuais, que geralmente oferecem algum tipo de premiação ou vantagem”, alerta o especialista.

A denúncia

Compulsão

Na reportagem do “Fantástico”, jogadores disseram que já ficaram dias sem tomar banho, gastaram altas quantias em dinheiro e até precisaram se internar para tratar o vício.

Crimes

O vício também abre portas para crimes reais, como prostituição e clonagem de cartão de crédito para “pagar” fases do jogo, e até pedofilia.

Chat

As negociações entre mediadores e jogadores são feitas em chats no próprio jogo. É lá que as vítimas são incentivadas a “pagar” pelo benefício conseguido no jogo com o envio de fotos íntimas, por exemplo.

Fonte: “Fantástico”

Entenda como pedófilos tentam se aproximar do seu filho na web

Uma vida sedentária, pais que não fiscalizam e orientam o uso da internet. Está pronto o cenário para que o vício em jogos comece. O especialista em crimes eletrônicos Eduardo Pinheiro Monteiro explica como seu filho pode se tornar um alvo fácil de criminosos na internet e tira outras dúvidas sobre o assunto.

O que os criminosos costumam oferecer?

Eles, geralmente, oferecem algum tipo de premiação ou vantagem, o que leva o menor a fazer o que eles determinam em troca do benefício.

Outros ambientes

Vítima de pedofilia é atraída  por criminoso para as redes pessoais na internet
Vítima de pedofilia é atraída por criminoso para as redes pessoais na internet
Foto: Divulgação

Pedófilos acessam sites de jogos online para crianças e adolescentes e, após cativarem a confiança das vítimas, tentam atraí-las para um ambiente como o WhatsApp, onde a conversa deixará de ser pública e se tornará privada.

Mediador que pede fotos ou dinheiro em troca de benefícios no jogo

Configura crime. Em se tratando de fotos sensuais de crianças e adolescentes, pode configurar o crime de pedofilia, tipificado no Estatuto da Criança e Adolescente, no Art. 241. Em se tratando de maior de idade, pode configurar o crime de estelionato se o agenciador tiver alguma vantagem ilícita mediante a fraude praticada.

Crimes ficam escondidos no ambiente virtual

Por se passarem em ambiente fechados, onde somente os jogadores estão participando, os crimes ficam ocultos e só são apurados quando alguém se torna vítima e procura a polícia para comunicar o crime.

Os principais crimes praticados em jogos on-line

Os relacionados à pedofilia, ao favorecimento à prostituição e ao estelionato.

Atenção ao jogar

Busque sempre jogos indicados para a sua faixa etária e tenha o cuidado de se informar se a empresa responsável pelo jogo é idônea. Afinal, para adquirir o jogo será necessário fornecer informações pessoais, como os dados do cartão de crédito.

Seu jogo é legal?

Está cada vez mais comum internautas utilizarem dinheiro para adquirirem fichas de jogos online. Mas se o jogo não for legalizado, a vítima da fraude não terá muito respaldo para buscar o ressarcimento do seu prejuízo pelos meios legais.

Ver comentários