Notícia

Felicidade, preguiça, ânimo: tudo isso vem dos alimentos

O que comemos interfere nas emoções e no estado de espírito

Já ouviu a frase “você é o que você come”? Pois saiba que ela é a mais pura verdade. E essa relação é tão direta que a resposta para ficar triste ou alegre, cheio de energia ou preguiçoso e até depressivo, muitas vezes está no seu prato.

“Nossas escolhas alimentares são refletidas diariamente em nosso comportamento, bem-estar, disposição física, sono, memória, pele, cabelo e intestino”, diz a nutricionista Roberta Larica.

Para quem está cansado, com preguiça e triste, fica a dica: cuidado com o açúcar. “Ele promove o aumento da glicose, que induz o corpo a produzir insulina que, por sua vez, tira rapidamente esse açúcar do sangue. Logo, há um período de falsa energia e, em seguida, vem o cansaço”, diz Larica.

E a ação do açúcar não para por aí. Na hora da digestão, o organismo gasta algumas vitaminas do complexo B, que são importantes para a produção de energia e de neurotransmissores - substâncias que agem no cérebro transmitindo impulsos de bem-estar e relaxamento -, como a serotonina. “No fim das contas, o organismo fica carente dessas vitaminas que o açúcar roubou, assim, diminui a quantidade de serotonina e faz com que o cérebro peça mais doce”, explica Roberta.

Atenção

Quem quer disposição, geralmente busca o café, mas os efeitos da bebida variam em cada um. “Em pequena quantidade, costuma deixar alerta. Mas depende do organismo. Alguns tomam uma xícara e já ficam agitados e ansiosos”, diz a nutricionista Bianca Cangini.

O horário de consumo também interfere na reação do corpo. Pela manhã e depois do almoço - para quem não tem deficiência de ferro -, café, chá-verde e chá-branco melhoram o raciocínio. Mas a consumo várias vezes por dia pode atrapalhar o sono, por conta da cafeína. “Se a pessoa não dorme bem, não produz os hormônios reparadores e acorda cansada. Vira uma bola de neve”, destaca Roberta.

Felicidade

No caminho contrário da tristeza, estão os alimentos ricos em triptofano, aminoácido que em poucos minutos após o consumo aumenta de forma fantástica os níveis de neurotransmissores do prazer, gerando relaxamento e bem-estar. “As sementes de abóbora e de girassol são ótimas opções e podem ser consumidas torradas. Entre 15h e 18h, os níveis de serotonina caem e ficamos mais ansiosos e compulsivos. Recomendo comer nesse horário uma colher de sopa por dia de sementes com iogurte ou 15g de chocolate amargo, que possui o mesmo efeito”, sugere a nutricionista.

Um estudo recente, publicado no periódico científico American Journal of Public Health, mostrou que aumentar o consumo de frutas e verduras traz mais felicidade. De acordo com a pesquisa, comer oito porções desses alimentos por dia pode levar as pessoas a uma mudança de bem-estar equivalente à observada em pessoas desempregadas quando conseguem emprego.

Segundo publicado na revista “Veja”, embora não saibam explicar exatamente o motivo dessa relação, os autores acreditam que o efeito seja causado pelos antioxidantes presentes nesses alimentos. Pesquisas anteriores sugerem que maiores níveis de pigmentos carotenoides, encontrados em legumes como a cenoura, estão associados ao aumento do otimismo. Outros estudos também sugerem que o aumento da ingestão de vitamina B12, também presente em frutas e vegetais, pode impulsionar a serotonina, neurotransmissor que desempenha um papel importante na regulação do humor.

Aproveite o poder dos alimentos

Energia

Para mandar o cansaço embora de vez, a dica é comer cereais integrais (aveia, quinoa, amaranto e gérmen de trigo), que são riquíssimos em complexo B, vitaminas que agem diretamente na produção de energia. Pode ser uma ou duas colheres de sopa por dia no iogurte ou em frutas.

Cansaço

Alimentos estimulantes, como café, em excesso, podem minar a disposição. Assim como geram um “pico de energia” por alguns minutos, depois agem como depressores do sistema nervoso central, causando cansaço e uma queda brusca de energia. O ideal é ingerir pequenas quantidades, pela manhã e depois do almoço. Nesses horários, pode ser com açúcar, em outros, com adoçante.

Estresse

Para controle, é recomendado o consumo de frutas ricas em vitamina C (kiwi, laranja, tangerina, limão e acerola). Elas ativam a glândula adrenal, que contribui para regular a produção de cortisol, hormônio do estresse. O abacate também tem uma substância que ajuda a diminuir os níveis desse hormônio. O ideal são duas a três colheres, todos os dias.

Tranquilo

O talo da alface tem uma substância que funciona como calmante. Por isso, inclua na alimentação algumas folhas. Os benefícios aparecem com a ingestão diária. Não é instantâneo.

Ansiedade

A castanha-do-pará é rica em selênio, substância que ajuda a diminuir a ansiedade e dá uma sensação de relaxamento. Duas ao dia são suficientes.

Mau humor

Castanha de caju e gergelim têm magnésio, um aliado no combate ao mau humor. A castanha é um alimento calórico, não dá para exagerar no consumo. O ideal são quatro ao dia. Elas podem ser trituradas com iogurte, por exemplo. O gergelim vai bem em saladas e pães.

Mente rápida

Alimentos fonte de ômega 3, como chia, linhaça e peixes, nutrem o cérebro e melhoram a memória. Coma uma ou duas colheres de sopa ao dia. O peixe pode ser duas ou três vezes na semana.

Ver comentários