Notícia

Dietas: restrição alimentar pode causar queda de cabelos

Seu cabelo está caindo em excesso? Veja quando é hora de se preocupar e quais podem ser os motivos

Queda de cabelo
Queda de cabelo
Foto: Divulgação

Músculos definidos e quilos a menos em poucas semanas é o desejo de muitas pessoas. Cortar carboidrato, ingerir apenas sopas ou se alimentar com shakes. Dietas muito restritivas, com promessas de resultados rápidos não faltam. Mas essa busca desenfreada pelo corpo ideal, sem orientação de especialistas, pode acarretar em muitos prejuízos, e um deles é a queda de cabelo.

A perda de muitos fios do couro cabeludo pode estar mais relacionada à alimentação do que se imagina. A dermatologista Karina Mazzini explica que uma dieta restritiva tende a provocar uma série de danos, entre eles a queda de cabelo. Mulheres que perdem mais de 100 fios por dia - a quantidade depende do volume - devem ficar atentas e procurar um dermatologista para investigar a causa.

"O corpo humano quando está com privação de calorias, ele vai dar preferência às funções vitais, como: batimento cardíaco e a respiração. O próprio organismo entende que o cabelo e as unhas, por exemplo, são secundários. Por isso, uma dieta balanceada é importante, para não gerar uma carência de ferro, zinco, sais minerais e outros ao organismo, levando a uma série de consequências", explica a dermatologista.

Karina afirma que o sintoma tem tratamento. De acordo com a dermatologista, o ideal é que a pessoa perceba se o cabelo está caindo mais do que o normal e procure um especialista para fazer exames. Atualmente, são várias as possibilidades de procedimentos e a normalização da queda não demora muito. Mas o ideal é que o tratamento seja feito juntamento com uma orientação nutricional e que o paciente siga uma dieta balanceada.

O acompanhamento nutricional é alguma das orientações dos dermatológicas. Segundo a nutricionista Caroline Castiglioni, uma dieta balanceada evita o sintoma. "As dietas restritivas, sem acompanhamento, podem ocasionar não só a queda de cabelo, mas também enfraquecimento das unhas e outros sintomas. É importante que a pessoa tenha uma dieta balanceada e uma alimentação completa".

A nutricionista Caroline Castiglioni lembra ainda que não são só dietas restritivas que podem causar a queda de cabelo. Fatores como, estresse, excesso de vitamina A, distúrbio hormonais, dermatites seborreicas, deficiência de zinco, deficiência de vitaminas do complexo B, alopecias genéticas - como a calvície -, uma alimentação inadequada e tantos outros.

Foto: Divulgação

Dieta

AUMENTO DE CASOS

No verão, a procura de tratamento capilar aumenta no consultório. Karina revela que nesta época, entre janeiro e março, a queda de cabelo é uma das principais reclamações. "No inverno, as pessoas tendem a engordar um pouquinho, então, na estação seguinte as pessoas tendem a procurar dietas restritivas demais para emagrecer ou definir o corpo. Tem paciente que apresenta metade do volume do cabelo que tinha antes da dieta", explica.

A dermatologista alerta ainda que mudanças muito rápidas de peso, podem ser prejudiciais. Ela aconselha a busca por um nutricionista, para que o processo de emagrecimento seja saudável.

Ainda de acordo com Karina, a redução da queda dos fios pode ser percebida cerca de 2 a 3 meses após os tratamentos capilares e a mudança na dieta. Há tratamentos, como a aplicação de vitaminas diretamente no couro cabeludo com microagulhas, que aceleram o resultado desejado.

Outra dica valiosa da dermatologista é a prática de exercícios. "O que muitos não imaginam é que a atividade auxilia e muito no tratamento da queda de cabelo. Porque uma das causas do sintoma é o estresse, então, se exercitando a pessoa vai acelerar o metabolismo e auxiliar no tratamento", afirma.

Ver comentários