Notícia

As muitas faces de Patrimônio da Penha, o point dos turistas

Um lugar de gente acolhedora e produtos naturais

Aldeia Alegria, em Patrimônio da Penha, no Caparaó
Aldeia Alegria, em Patrimônio da Penha, no Caparaó
Foto: Edson Chagas

A viagem avança, por mais 22 quilômetros, até chegar à Patrimônio da Penha, comunidade de Divino de São Lourenço, conhecida pelos moradores hippies que procuram viver com alimentação natural. Alí está localizada a primeira igreja do Santo Daime no Espírito Santo. Ela fica afastada da área urbana entre as matas. Infelizmente não tivemos oportunidade de conhecê-la.  

Patrimônio da Penha oferece a maior quantidade de pousadas da região do Caparaó. Também possui bares, restaurantes, pizzaria e cafeteria. A energia positiva é sentida nas pessoas. A cada novo conhecido, um abraço de gratidão.

Nos hospedamos na pousada Beija Flor. Porém, antes fomos visitar a Aldeia Alegria que possui um visual fantástico. A pousada fica em cima de um pequeno morro e, de lá, o turista possui uma visão privilegiada para a Mata Atlântica. De um dos quartos dá para ver o nascer da lua e sol. Um espetáculo de paisagem.

O proprietário do lugar, Marcius Cardoso, é um publicitário de 53 anos, muito entusiasmado com o turismo local. Está construindo mais dois chalés: um feito com bambus e outro que vai ficar suspenso. Já deu até nome para este último: “Bangalô-Eternidade”. Para se hospedar no local é cobrado o valor de R$ 75 por pessoa, com direito à café da manhã.

Veja o vídeo da Aldeia Alegria:

A pousada Beija-Flor cobra o mesmo valor. Lá provamos o pão de fermentação natural fresquinho que tinha acabado de sair do forno. Ele é preparado por Danúsia Maria Alves. Ela explica que a fermentação é feita com isca de fermentação natural que nunca morre. A que estava em um pote plástico na cozinha da pousada tinha mais de 10 anos. “O diferencial desse nosso pão é que ele não dá azia”, garante.

Pão de fermentação natural feito no Caparaó
Pão de fermentação natural feito no Caparaó
Foto: Edson Chagas

Te convidamos para um passeio por Patrimônio da Penha. No vídeo, a famosa feirinha que acontece aos sábados. 

Atrativos da noite

As noites em Patrimônio da Penha seguem a calmaria do Caparaó. Mas dá pra provar, por exemplo, lasanha de abóbora e torta de mandioca e ouvir uma música vinda da vitrola. Aos sábados acontece uma feirinha muito estilosa, com a venda de artesanatos, ervas medicinais, e produtos da roça, como o queijo, o melado e o doce de leite.

Observação de pássaros

No final da manhã de sábado, ainda em Patrimônio da Penha, participamos de um passeio para observação de pássaros. Com a orientação da observadora profissional Relva Carvalho, conhecemos o Fin Fin, o Arapaçu Escamoso e a Saíra Douradinha, pássaro que vive só na Mata Atlântica do Brasil. 

Empreendedorismo

O empreendedorismo é forte em Patrimônio. Lá, conhecemos o Guido Botti Zanello, 30 anos, que faz champanhe de gengibre na panela. Ele procura investidores para fabricar a bebida “A água aqui é diferente, não contém cloro nem flúor, o que é extremamente importante pra fermentação”. Guido engarrafa o champanhe duas vezes no mês e vende o produto na cafeteria, na feirinha e em casa, por R$ 4 a garrafa.

Guido Botti Zanello, 30 anos, que faz champanhe de gengibre na panela
Guido Botti Zanello, 30 anos, que faz champanhe de gengibre na panela
Foto: Edson Chagas

Fotos da feirinha de Patrimônio da Penha: 

Ver comentários