Notícia

Invista em uma parede viva e ganhe sustentabilidade e estilo em casa

A intervenção pode diminuir os efeitos da poluição do ar, aprimorando a sua qualidade e umidade. E ainda servir como isolamento acústico e térmico dos ambientes

Projeto de Bismark Martins
Projeto de Bismark Martins
Foto: Divulgação

Ter plantas em casa - muitas vezes - é sinônimo de “mais vida” nas decorações, pois elas têm o poder de deixar os ambientes mais frescos, e alegres. Agora, já imaginou cobrir uma parede toda com plantas? É o que acontece com as instalações conhecidas como “paredes vivas” (ou jardins verticais).

> Living Coral: como incluir a cor de 2019 da Pantone na decoração

A parede viva é um tipo de intervenção que busca dar mais sustentabilidade ao local, diminuindo os efeitos da poluição do ar, aprimorando a sua qualidade e umidade. E mais: a instalação também pode servir para isolamento acústico e térmico do ambiente. “O jardim vertical pode evitar a grande massa de calor dentro do ambiente e também diminuir sons externos - dependendo de onde é aplicado”, explicou a arquiteta Rebeca Amazonas.

 

 

Parede viva no centro da sala projetada por Rebecca Amazonas e Juliana Mattos
Parede viva no centro da sala projetada por Rebecca Amazonas e Juliana Mattos
Foto: Reprodução/ PDF

De acordo com ela, a parede viva pode ser instalada tanto em casas quanto em apartamentos. “Existem inúmeras opções para a produção do jardim vertical, indo desde uma parede inteira revestida de vegetação ou até mesmo locais pontuais com plantas, trazendo vários efeitos bacanas de maneira diferente e original para o local”, pontuou Rebeca.

Leia também

Para definir os estilos de plantas que vão compor o jardim vertical é preciso atentar-se para alguns fatores, como a incidência de luz no local. “Devemos observar o local que será instalada, considerando se o ambiente recebe luz solar, se prevalece sombra, meia sombra, e se é interno ou externo”, esclareceu a arquiteta Najla El Aouar . Outro ponto lembrado pela arquiteta é o método de plantio, que pode ser em jardineiras, ou grades. “Pode-se ter a rega manual com um sistema simplificado, ou até sistemas programados de rega e drenagem através de automação”, complementou Najla El Aouar.

Projeto de Bismark Martins
Projeto de Bismark Martins
Foto: Divulgação

As espécies de plantas para os jardins verticais são variadas, porém divididas em duas categorias: as de pleno sol, e meia sombra. O arquiteto e paisagista Bismark Paulino listou os melhores nomes para cada classificação: “Algumas espécies recomendadas para sol pleno são: Aspargo-pluma, Barba-de-serpente, Clorofito, Jibóia, Lambari-roxo, Liríope, Trapoeraba-roxa. Já para meia sombra são: Aspargo rabo de gato, Samambaia, Columéia-peixinho, Chifre-de-veado, Dinheiro-em-penca, Peperômia, Ripsális, Renda-portuguesa”, recomendou o profissional.

> Piscinas: projetos de todos os tamanhos e estilos

Bismark também esclarece que a manutenção e os cuidados com a parede viva devem ser periódicos, assim como qualquer outra instalação de jardim - porém existem diferenças nos tipos de manutenção de casas e apartamentos. “Se você vai fazer seu jardim vertical em um apartamento, a manutenção deve ser fácil, e deve produzir pouca sujeira. As espécies para melhor aproveitamento seria as Bromélias e Peperômia. Agora, se a intenção é fazer um belo muro verde na área externa de uma casa, você terá mais liberdade quanto à escolha das espécies, por isso a manutenção pode ser mais elaborada. Podem ser folhas grandes, pequenas e forração. Algumas espécies a utilizar são os aspargos, Hera (trepadeira), Samambaias”, finalizou o arquiteto e paisagista.

Ver comentários