Notícia

Sem bênção da igreja, Cristo de Colatina teve fama de 'amaldiçoado'

Quando inaugurado, em 1975, um cônego disse não faria a benção porque a prefeitura deveria ter pensado como prioridade o desenvolvimento do bairro e não o monumento

Foto: Gazeta Online

Um dos principais cartões-postais de Colatina, cidade localizada na região Noroeste do Espírito Santo, foi motivo de polêmica desde sua criação e perdurou por quase 30 anos. Estamos falando da estátua do Cristo Redentor, inaugurada em 1975, mas o monumento somente foi abençoado pela igreja 29 anos depois da instalação, em 2004. Neste período sem a bendição, há quem dissesse (e temesse) que a estátua gigante fosse amaldiçoada. Um imbróglio envolvendo criador e prefeitura também gerou a possibilidade de que o Cristo Redentor fosse explodido. 

> Veja outras publicações da seção "Capixapédia"

UM CRISTO SEM BÊNÇÃO DA IGREJA

O arquiteto, desenhista, pintor e escultor autodidata capixaba Antonio Francisco Moreira foi quem construiu o Cristo Redentor de Colatina, na administração do então prefeito Paulo Stefenoni, que queria iniciar um centro turístico naquele bairro, hoje chamado de Bela Vista. 

35,5 metros

É o tamanho total do Cristo Redentor de Colatina, que já foi considerado o segundo maior do Brasil, ficando atrás apenas do monumento do Rio de Janeiro

Com a inauguração, foi solicitado à Igreja Católica benzer o Cristo. Em protesto, o Cônego Maurício de Mattos Pereira, declarou na época, que não faria a benção porque a prefeitura deveria ter pensado como prioridade o desenvolvimento do bairro e não o monumento. 

A bênção ocorreu somente 29 anos após a inauguração do Cristo, em 2004. Segundo a Diocese de Colatina, naquele ano, após a celebração da missa na Sexta-feira Santa foi realizada uma procissão luminosa que saiu da Catedral com destino ao monumento. Lá, uma imagem santa ficou exposta até o dia seguinte para o povo visitar. "Então, pode-se considerar isso uma grande benção", avalia a diocese.

> Farol mais alto do Brasil fica no ES

O padre Ernandes Samuel Fantin, chanceler da Cúria Diocesana de Colatina, disse que a Igreja deu mais que uma benção. “Foi realizada de uma maneira interessante. Isso é mais que uma benção, foi uma verdadeira celebração, um ritual, com todos os paramentos. O bispo diocesano Dom Décio, os padres da Catedral juntamente aos ministros instituídos e uma multidão acompanharam. Não é um monumento pertencente à Igreja, porque foi feito pela prefeitura, mas é reconhecido e reverenciado pela Igreja Católica”, disse.

'VOU EXPLODIR O CRISTO'

O atual prefeito da cidade, Sérgio Meneguelli, e o engenheiro civil e mestrando em desenvolvimento regional Francisco Hermes Lopes, 64 anos, contaram à reportagem que, no decorrer da obra do Cristo, houve um período em que a administração municipal não honrou o pagamento com o artista Antonio Moreira, que era ateu, e ele teria ameaçado explodir o Cristo.

> Quem foi o 'Moreno' que dá nome a cartão-postal de Vila Velha?

“Ele disse que se levasse o prejuízo, iria explodir o Cristo, mas depois de algumas negociações, tudo foi acertado”, disse o prefeito. “Na época, a cidade só comentava sobre isso”, disse Francisco.

DIMENSÕES DO MONUMENTO

A Estátua do Cristo de Colatina tem altura total de 35,5 metros: a estátua mede 20 metros, o pedestal mede 15,5 metros, o comprimento das mãos tem 1,80 metro e a largura de braço a braço é de 40 metros. Equivale a um prédio de quase 15 andares.

O Cristo de Colatina já foi considerado a segunda maior estátua do Brasil, ficando atrás apenas do Cristo Redentor do Rio de Janeiro, perdendo em apenas 2,5 metros. No interior da estátua, há uma escada que permite o visitante chegar até a região da cabeça do Cristo e ao longo dos braços, além de 3 janelas na parte frontal do monumento, que permitem visualizar a cidade.

VISITAÇÃO SUSPENSA

A visitação está suspensa desde 2012, após vistorias do Corpo de Bombeiros que recomendou algumas adequações à Prefeitura de Colatina, como troca das grades, instalações elétricas e até melhorias nas escadas internas do Cristo.

De acordo com Sérgio Meneguelli serão realizados reparos na área no entorno do Cristo e também a ampliação da academia popular. A reabertura está prevista para acontecer até o final deste ano.

"Até o final do ano estará aberto a população porque depende de burocracia e estamos fazendo tudo com recursos próprios. Vamos fazer os reparos e ampliar a academia para que idosos e também os jovens possam aproveitar o que deve custar em torno de R$ 100 mil. Queremos também que no pátio seja realizada a feirinha do bairro. Este será novamente um dos principais pontos turísticos da cidade", garantiu.

PARTICIPE

Você tem alguma curiosidade sobre o Espírito Santo? Envie para [email protected]

Ver comentários