Notícia

Espírito Santo elege apenas 4 mulheres para prefeituras

A partir de janeiro, São Gabriel da Palha e Montanha passam a ser comandadas por mulheres. Prefeitas se reelegeram em Kennedy e Guaçuí

Em 1932, durante o governo Getúlio Vargas, as mulheres brasileiras conquistaram o direito ao voto, bem como o de se candidatarem a cargos políticos. Oitenta e quatro anos depois, apesar dos avanços, a atuação feminina à frente de cargos executivos e legislativos ainda é tímida no Espírito Santo. De 78 municípios, apenas quatro elegeram prefeitas em 2016. Em 2012 foram nove.

Enquanto umas assumirão o segundo mandato (como é o caso de Amanda Quinta (PSDB), reeleita em Presidente Kennedy, e de Vera Costa (PDT), reeleita em Guaçuí) outras se preparam para encarar as prefeituras pela primeira vez. São elas: Céia Ferreira (SDD), eleita em São Gabriel da Palha, e Iracy Baltar (DEM), líder de votos em Montanha, Norte do Estado.

Apesar de possuírem histórias de vida e propostas diferentes, as prefeitas concordam em um aspecto: o de que seus papéis à frente do Executivo podem servir como um estímulo para que outras mulheres optem por trilhar o mesmo caminho.

Para Céia Ferreira, um dos fatores que afastam as mulheres dos palanques políticos é o preconceito. “Muitas vezes a mulher fica preocupada com os ataques que podem vir. Eu mesma, durante a campanha, sofri agressões contra minha integridade moral, ao ponto de nos chamarmos de nomes obscenos”, lamenta. Segundo Céia, houve até dificuldade para fechar coligações pela falta de mulheres.

A discriminação, aliás, já foi sentida na pele por cada uma delas, que dizem ter superado o problema através da demonstração de sua vontade e de sua força para liderar. “Não há diferenças entre homens e mulheres no que diz respeito à capacidade”, analisa a prefeita Amanda Quinta. Porém, ela faz uma ressalva: “Mas a mulher tem um foco maior, tratando de vários assuntos ao mesmo tempo e dando conta de tudo. Elas conseguem ter uma maturidade maior e se corrompem menos”.

Para Amanda, a crise política e financeira que atinge o país e consequentemente os municípios também pode ter contribuído para que menos mulheres disputassem as eleições este ano, mas reforça que políticas de incentivo ao envolvimento feminino precisam ganhar mais ênfase.

Potencial

Apesar de reconhecer que o quadro está longe do ideal, Iracy Baldar destaca que a realidade nos municípios tem mudado e que as mulheres estão descobrindo seu potencial para promover melhorias dentro de suas comunidades.

“As meninas que participaram da minha chapa como candidatas a vereadoras não foram eleitas, mas ao invés de desistirem, elas estão se preparando para daqui a quatro anos colocarem seu nome de novo à disposição do povo”, comemora a prefeita.

Propostas

Ao assumirem o comando das prefeituras no ano que vem, algumas prefeitas já pensam em colocar os direitos das mulheres em pauta. Amanda Quinta, por exemplo, pretende reativar todas as associações de moradores e estimular o cooperativismo para que as mulheres descubram novas oportunidades de trabalho. “Quero que elas participem dentro de suas comunidades para mostrar seu valor. Em Kennedy nós organizamos um bazar solidário só entre mulheres para motivá-las”, diz.

Diante da impossibilidade orçamentária para criação de uma secretaria para mulheres, Iracy pensa em fortalecer os conselhos na cidade. “Se eles forem efetivos, eles acabam trazendo políticas públicas”, argumenta a demista.

Já Vera Costa reforça a importância de se escolher mulheres para ocupar as secretarias para auxiliarem no planejamento da cidade. “Quando fui vereadora, em 2008, criamos a União Brasileira de Mulheres para dar palestras, fazer conscientização sobre seus direitos”, lembra ela.

O perfil delas

Vera Costa (PDT): Com 44 anos, é a atual prefeita de Guaçuí. Já foi secretária de Assistência Social do município e foi eleita vereadora em 2008.

Iracy Baltar

Iracy Baltar (DEM): Tem 59 anos. Foi professora por 20 anos até se tornar supervisora de atividades administrativas na Superintendência de Educação de Montanha. Também foi secretária municipal de Educação por oito anos e elegeu-se prefeita da cidade em 2008. Depois disso, assumiu a Secretaria de Educação de Vila Velha a convite do prefeito Rodney Miranda (DEM).

Céia Ferreira
Céia Ferreira
Foto: Divulgação

Céia Ferreira (SDD): Tem 53 anos e é produtora rural. Formou-se em administração de empresas aos 38 anos e já foi secretária de Agricultura de São Gabriel da Palha.

Amanda Quinta

Amanda Quinta (PSDB): Atualmente com 27 anos, Amanda Quinta foi reeleita para seu segundo mandato em Presidente Kennedy. Antes disso, já havia sido secretária municipal de Cultura e coordenadora do Fundo Municipal de Saúde.

Ver comentários