Notícia

Deu o óbvio: Brasil do Pombo voa mais alto que o Peru de Guerrero

Nono título da Copa América da Seleção Brasileira veio como era esperado

Com méritos e sem ser ameaçado, o Brasil ergueu o nono troféu da Copa América da história
Com méritos e sem ser ameaçado, o Brasil ergueu o nono troféu da Copa América da história
Foto: Pedro Martins/Mowapress

Na decisão das aves, não deu para o Peru. Prevaleceu a destreza do pássaro que está por todos os cantos do país, e no Maracanã não foi diferente: Pombo neles! O gol do capixaba Richarlison foi a cereja do bolo na vitória que selou o nono título do Brasil na Copa América. Como é bom ver esse menino alçando voos mais altos com a camisa canarinha e em crescente evolução técnica. Vai longe, muito longe!

Optei por exaltar o jogador que iniciou a carreira jogando no Real Noroeste do que propriamente o título. E explico: essa Copa América foi um porre! Em geral, jogos fracos, seleções com qualidade muito duvidosa, convidados inexpressivos e muita reclamação. Futebol que é bom, só rolou em raros momentos.

Ainda assim, o Brasil sem empolgar em nenhum momento conseguiu se sobressair com relativa facilidade. A final, então foi uma baba. Nem o Peru sabia direito como foi parar ali no Maracanã. O que viesse já seria lucro. O vice-campeonato está de bom tamanho. Na verdade, o Brasil foi campeão ao eliminar a Argentina na semifinal disputada no Mineirão. Mas nem esse jogo empolgou, pois Messi, ao que parece ficou na Argentina (ou em Barcelona). No campo mal deu o ar da graça. Só foi visto para reclamar. Aí, Lionel, papo 10 aqui: chora na cama que é lugar quente! Ainda mais nessa friaca.

Qual foi, Tite?

Foi visível o ar de preocupação que Tite deu para essa Copa América. O fracasso na Rússia, no ano passado, ainda martelava a cabeça do nosso treinador. Muito por isso ele levou uma seleção recheada de medalhões, alguns contestáveis, para construir o time que viria a ser campeão. Deu certo, a taça veio.

Só que agora o buraco é mais embaixo. Tite vai ter de direcionar o olhar já para 2022. Muitos desses nomes que colocaram a medalha dourada no peito fatalmente não terão condições de jogar o Mundial do Catar. Já vou avisar logo aqui. Já deu para Fernandinho, Miranda, Willian e Filipe Luís. Dos veteranos, só nosso capitão talvez prossiga, visto que o Brasil tem uma dificuldade maior do que o próprio país em revelar jogadores para a posição. Chegou a vez de dar uma oxigenada na Seleção. O recado foi dado, Tite.

Vou agora retornar ao meu ano sabático brevemente interrompido para comentar sobre a competição. O tenso é que Copa América está parecendo boleto, toda hora aparece! 2020 tem mais e maior, credo! Até lá então ou quando me der vontade. Abraços!

Ver comentários