Notícia

Brasil de Pelotas marca no fim e supera o Vila Nova em Goiânia

Triunfo de visitante no Serra Dourada encaminhou permanência do Xavante na Série B e aumentou a agonia vivida pelo Tigrão

Em jogo disputado entre Vila Nova e Brasil de Pelotas no estádio Serra Dourada, o time do Rio Grande do Sul venceu por 2 a 0 com gols de Ari e Brasil de Pelotas em resultado que deixou, proporcionalmente, a situação do Xavante confortável e a do Tigrão ainda mais preocupante.

O Brasil estava em 10° lugar com 42 pontos ganhos, vantagem de 10 unidades em relação ao Figueirense que joga pela rodada apenas no sábado (2). Já o Vila amarga a 18ª posição com 32 unidades e, também dependendo do resultado dos catarinenses, pode ver a distância para tentar sair do Z4 aumentar.

SOPRO DE CRIATIVIDADE


Em meio as dificuldades que o Vila tinha para criar jogadas e também o espaçamento excessivo dos jogadores de defesa e ataque, o time gaúcho por pouco não conseguiu se aproveitar desse clima mais tenso para abrir a contagem com Guilherme Queiroz. Em lançamento preciso, o camisa 9 do Brasil saiu cara a cara com Rafael Santos, mas bateu em cima do arqueiro já dentro da grande área.

NA BASE DA FORÇA

Melhorando um pouco na questão posse de bola, a oportunidade mais aguda do Tigrão, curiosamente, apareceu com uma falta batida pelo meio-campista Magno da intermediária com 26 minutos de jogo. Batendo com violência, o jogador do time goiano viu a pelota quicar na pequena área antes de Carlos Eduardo fazer a defesa espalmando para escanteio.

QUE ESTILO!

Abusando da categoria, o time Xavante ainda chegou com perigo a meta dos donos da casa quando Diogo Oliveira dominou na altura próxima a meia-lua, deu um chapéu no marcador e bateu firme de fora da área para intervenção importante de Rafael Santos também jogando pela linha de fundo.

RECOMEÇO ANIMADO

Com apenas oito minutos do tempo complementar, o time de Itamar Schulle já tinha criado duas oportunidades excelentes de abrir a conta, mas parou em mais uma defesa de Carlos Eduardo (com o adendo da zaga cortar finalização em cima da hora do meio-campista Patrick) e também a trave na cabeçada do uruguaio Gastón Filgueira.

NÃO PERDOOU

Se na hora de finalizar o Tigrão demonstrou incapacidade de passar pela barreira chamada Carlos Eduardo, do lado dos visitantes um lançamento bem feito que encontrou Ari pegando a bola nas costas da defesa do Vila colocou o camisa 7 frente a frente com Rafael Santos e ele não desperdiçou. Tocando na saída do arqueiro de pé esquerdo, o atacante fortaleceu os intensos protestos nas arquibancadas do Serra Dourada que renderam até mesmo uma invasão ao gramado e confusão entre fãs do próprio Vila Nova.

PÁ DE CAL

Quando o time colorado já parecia um tanto quanto "entregue" no confronto, ainda houve tempo para que o zagueiro Bruno Aguiar tirasse da cartola um verdadeiro petardo aos 47 minutos. Tendo bastante espaço, o defensor arriscou de longe e acertou o ângulo de Rafael Santos para sacramentar o triunfo gaúcho no Centro-Oeste.