Notícia

Adriano negocia compra de time por R$ 16 mi e pode voltar a jogar

O jogador encaminhou a compra de 40% do Miami United, dos Estados Unidos, e pretende retomar a carreira no seu time

Adriano está perto de, enfim, voltar a jogar futebol. Mais do que isso, o Imperador começa a dar seus primeiros passos como homem de negócios do esporte. Após algumas semanas de negociações, o jogador encaminhou a compra de 40% do Miami United, dos Estados Unidos, por cerca de 4 milhões de dólares (R$ 16,1 milhões) e pretende retomar a carreira dentro de campo no time que poderá chamar de seu.

Distante da MLS - principal liga de futebol dos EUA -, o Miami United disputa a NPSL, que disputa com a NASL o título de segundo principal torneio do país.

Sócio, ele terá participação em todas as receitas do Miami, além de um salário mensal de 10 mil dólares
Sócio, ele terá participação em todas as receitas do Miami, além de um salário mensal de 10 mil dólares
Foto: Reprodução

Após ter o nome ventilado por diversos times brasileiros no final de 2015 e início de 2016, o Imperador foi procurado por um grupo de gestores da equipe da Flórida e se interessou pelo projeto.

A informação do possível acerto começou a circular na imprensa italiana no início da semana e foi confirmada à reportagem pelo gerente executivo de futebol do Miami, Henrique Souza.

"Vi que muita gente falava em um possível retorno do Adriano e logo falei com o meu presidente. Expliquei que não teríamos como oferecer um salário que ele pede, mas que a entrada dele como acionista do clube poderia resolver. Conversamos diversas vezes e ele gostou muito. Se interessou pelo estilo de vida de Miami, pela estrutura do clube e pela possibilidade de já adiantar um projeto pensando no pós-carreira", detalhou o dirigente.

Por ser sócio do time, Adriano terá participação em todas as receitas do Miami, além de um salário mensal de aproximadamente 10 mil dólares (R$ 40,7 mil) como jogador. Os outros 60% do clube pertencem ao presidente do United, o italiano Roberto Sacca, responsável por administrar um clube em ascensão com lucro de quase 5 milhões de dólares por ano. Torcedor da Internazionale de Milão - clube onde o Imperador fez história -, o cartola é fã do atacante e trabalhou para facilitar a negociação.

Na Flórida, Adriano terá no clube de Ronaldo, o Fort Lauderdale Strikers, o grande rival em termos de torcida - apesar de os times jogarem ligas diferentes. Os dois clubes disputam espaço no estado e a preferência dos novos torcedores.

Adriano está parado desde 2014
Adriano está parado desde 2014
Foto: Divulgação

A disputa com o Fenômeno, no entanto, não significará muita preocupação ao Imperador. Ele teria escolhido o projeto na Flórida justamente pelo fato de se afastar do cenário já desgastado de sua imagem no Brasil. Junto com ele, viajarão para os Estados Unidos o irmão Thiago, que conseguiu uma bolsa de estudos em uma universidade, e a mãe.

Ao lado do empresário e de representantes do Miami United no Brasil, Adriano resolve as últimas pendências, como questões de abertura de empresa e visto americano. A ideia do jogador é partir para os Estados Unidos logo após o Carnaval. A data para o retorno aos gramados, no entanto, ainda pode demorar. Jogador e membros do clube planejam um tempo para preparação e adaptação ao novo desafio. Desta vez longe do Rio e da tão falada comunidade do Alemão. Mas perto de praias e de um clima bem parecido com o brasileiro.

"Isso animou muito ele para o desafio. Ele sabe que estamos falando de uma cidade excelente, parecida com o Rio, com belas praias e uma vida bem bacana. Vai estar tranquilo e longe de perturbação. E envolvido com um projeto excelente", explicou Henrique Souza.

Procurada para comentar o assunto, a assessoria de imprensa de Adriano evitou falar sobre negociações específicas e disse apenas que o atleta resolverá seu futuro em breve.

Adriano não entra em campo para uma partida profissional há quase dois anos. O último clube do Imperador foi o Atlético-PR, onde disputou quatro jogos e marcou um gol. Ele defendeu o time do Paraná na Copa Libertadores daquela temporada.

Ver comentários