Notícia

Torcedor capixaba agredido no Rio está em coma induzido

Roberto Vieira de Almeida, de 54 anos, mora em Santa Marta, Vitória, e organiza excursões há mais de 20 anos

Momento em que Roberto é atendido por bombeiros após ser agredido
Momento em que Roberto é atendido por bombeiros após ser agredido
Foto: Reprodução

O torcedor capixaba Roberto Vieira de Almeida, de 54 anos, que foi agredido na tarde desta quarta-feira (3) está em coma induzido, internado em estado grave. A informação é do irmão da vítima. A após o grupo de rubro-negros capixabas viajarem em uma excursão até o Rio de Janeiro para acompanhar o jogo do Flamengo na Libertadores da América 2019, torcedores do Peñarol iniciaram uma briga entre as torcidas.

Roberto está em coma induzido, internado no Hospital Miguel Couto, no Rio de Janeiro, com ferimentos na cabeça. Ele é morador do bairro Santa Marta, em Vitória, e organiza excursões há mais de 20 anos. O irmão do torcedor, Josias Vieira de Almeida, de 69 anos, diz que o estado de saúde de Roberto é grave e que a família está triste com essa situação. O irmão gêmeo de Roberto, Rubens Almeida, vai viajar de avião até o Rio de Janeiro para acompanhar a internação ainda na tarde de hoje, e Josias deve ir de ônibus. 

"O estado dele é grave, tem que fazer muitos exames e tem que ficar uma pessoa da família com ele, então devemos ir amanhã (sexta) à noite. Ele saiu daqui feliz que ia fazer a excursão, ficou satisfeito que o ônibus estava cheio. Quando eu soube da notícia ontem (quarta) à noite, eu fiquei triste, toda a família ficou triste. Agora nós queremos ir lá (ao Rio de Janeiro), temos que ir lá para ficar com ele (no hospital)", conta Josias.

Josias ainda explicou que o grupo de torcedores capixabas estava na praia por ser uma parada comum durante as excursões organizadas pelo irmão. Os viajantes chegam mais cedo, passam o dia na praia e, à noite, assistem o jogo. Já os uruguaios estavam no mesmo local porque os jogadores do Peñarol estavam hospedados no hotel em frente à praia.

O MOMENTO DA AGRESSÃO

O irmão gêmeo de Roberto, Rubens Almeida, conta que as notícias sobre o estado de saúde do irmão são de que ele está em coma induzido por conta de traumatismo craniano. A situação é uma tentativa de melhora para que possam realizar uma cirurgia.

Rubens contou o que sabe sobre como o irmão teria sido agredido. Ele teria tentado puxar dois torcedores capixabas do meio da confusão, para que parassem de brigar, mas quando estava no meio do tumulto acabou levando uma cadeirada na cabeça.

"Meu irmão saiu do ônibus e foi tirar o cara, para não deixar ele brigar, tanto é que ele (Roberto) correu. Um deles voltou, mas outro foi pra cima dos caras e foi a hora que aconteceu a cadeirada. Ele levou uma cadeirada, com uma cadeira pesada, de madeira, na cabeça dele. E ele teve traumatismo craniano e está em coma induzido para tentar voltar, para depois poder fazer uma operação (sic)", explicou. 

Depois de confusão, três uruguaios e um brasileiro tiveram a prisão decretada durante a madrugada: 151 torcedores foram levados para o Juizado Especial Criminal (Jecrim). Os torcedores do Peñarol foram julgados por lesão corporal grave. A pena varia de 2 a 8 anos de prisão.

A CONFUSÃO

Torcedores do Peñarol foram detidos no Rio de Janeiro antes de jogo contra o Flamengo
Torcedores do Peñarol foram detidos no Rio de Janeiro antes de jogo contra o Flamengo
Foto: Marcelo Baltar/Globo Esporte

Rubro-negros capixabas, que foram acompanhar o terceiro jogo do Flamengo na Libertadores da América 2019, foram atacados por torcedores do Peñarol, no Leme, no Rio de Janeiro, na tarde desta quarta-feira (3).

De acordo com informações da Polícia Militar, o ônibus do Espírito Santo parou perto da praia, quando os uruguaios partiram para cima, e a briga começou em um quiosque perto do hotel onde o time do Peñarol está hospedado.

Após a confusão, pouco mais de 100 torcedores do Peñarol envolvidos na confusão na orla foram revistados pela PM, que achou drogas e armas brancas. 

 

 

 

Ver comentários