Notícia

Com paralisia cerebral, capixaba sorri com músicas de Paula Fernandes

Kazu só deixa que dentistas executem tratamentos quando ouve a sertaneja; grupo que o atendia se mobilizou com a história

Kazu e Remili: "ele fazia essa cara quando acabava a consulta", conta a dentista
Kazu e Remili: "ele fazia essa cara quando acabava a consulta", conta a dentista
Foto: Arquivo pessoal

A música não só encanta, mas cura e cuida de quem a escuta. Mais que isso, especificamente a música da cantora Paula Fernandes é a que emociona e faz Vitor Kazuhiro Luz Nakamura, de 23 anos e portador de paralisia cerebral, sorrir toda vez que a escuta.

Kazu, como é chamado Vitor, encontrou o alívio na voz da recém-formada em odontologia Remili Sartori, de 23 anos, que canta o sertanejo para ele se acalmar e realizar o tratamento odontológico. Se antes ele não queria ir ao dentista, agora o jovem não quer mais sair do consultório em que foi atendido, em Vitória.

De acordo com a dentista, a conexão do jovem com a música é impressionante. Ela conta que ele não abria a boca e não deixava que ninguém o examinasse, mas que depois que começaram a colocar Paula Fernandes para tocar durante as consultas, Kazu não reclamou mais. "Muito pelo contrário. Quando a gente parava a música e falava que tinha acabado, ele já fechava a cara. Queria mais", brinca. 

Na colação de grau da turma de odontologia, Kazu participou de forma especial. "Nós convidamos a família para ir, porque nosso grupo que o atendia na clínica da faculdade ficou muito mobilizado com a história, mas eles disseram que iam viajar e não iam poder comparecer. Mas, como eu faço parte de um grupo de canto, já ia cantar na celebração, e escolhi uma música de Paula Fernandes. Quando comecei a apresentação, ele entrou no palco e foi uma emoção indescritível", comemora. 

A irmã de Kazu, Lays Luz Nakamura, conta que o jovem nasceu em Montanha, região Norte do Espírito Santo, e ficou internado por três dias lá. Em seguida, foi para São Mateus e, então, foi levado até Vitória. "Meus pais achavam que tinha algo de diferente com o bebê, por isso decidiram ir até São Paulo, onde por meio de exames ele foi diagnosticado com paralisia cerebral", conta. Ela diz que na ocasião, foram identificadas várias lesões no cérebro.

"Minha mãe era acompanhada por dois médicos, mas ela foi para Montanha onde temos família pouco antes da data prevista para o parto, e precisou dar à luz lá, com médicos diferentes", explica. Em São Paulo, Kazu foi atendido por nove anos pela Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD).

Lays comenta que a mãe, Araci da Luz Nakamura, chegou a se formar em Fisioterapia para ajudar o filho com exercícios, mas percebeu que o tratamento era muito doloroso para Kazu. Atualmente, ela usa esse conhecimento para fazer outros atendimentos.

Identificação

Segundo a neurologista do Hospital Metropolitano, na Serra, Soo Yang Lee, Kazu se identificou com a voz ou estilo musical de Paula Fernandes, provavelmente por uma memória que pode ter sido construída quando o jovem estava no útero da mãe. "Isso acontece e é comum. A música é muito importante para o estímulo cerebral, tanto que é considerada uma das melhores terapias mentais", justifica. 

Para a médica, é ainda melhor quando o paciente aprende a tocar um instrumento, mas que se identificar com a música e ficar escutando as melodias também ajuda. "O som estimula várias partes do cérebro e possibilita o desenvolvimento de várias funções. Além disso, as ondas sonoras provocam no organismo o estímulo à produção de hormônios e substâncias que protegem o corpo e a mente", complementa. 

"Isso estimula ainda a previsão de movimentos. Quando ele escuta a música ele sabe como ela é inteirinha, então ele sabe o que vem depois. Se ele ficasse só na fonoterapia, por exemplo, ele estimularia apenas a área da linguagem e da memórias, mas com a música outras áreas cerebrais também são atingidas", finaliza. 

Encontro

Remili quer que Paula Fernandes conheça a história de Kazu, e soube que a sertaneja se apresentará em Vila Velha no próximo dia 30 de setembro. Para isso, a jovem criou um perfil no Instagram apenas para divulgar o menino, e garante que já trocou mensagens com a mãe e irmã da cantora. "Eles responderam mensagens, mas ficou nisso. Eu queria muito que ela o conhecesse, e tenho certeza de que ele ficaria muito, mas muito feliz", destaca. 

 

Veja vídeo que mostra menino reagindo à música de Paula Fernandes:

Veja uma das postagens do perfil do Instagram:

 

Apaixonado pela Paula Fernandes, só deixava ser atendido se cantassem as musicas de @paulafernandes #paulacantaprokazu paulacantaprokazu #paulafernandes

Uma publicação compartilhada por Kazu #paulacantaprokazu (@paulacantaprokazu) em

Ver comentários