Notícia

Infestação de Esperança surpreende moradores da Grande Vitória

O professor e especialista em insetos, Aloisio Falqueto, explica o ciclo de vida do inseto, que surpreendeu ao ocupar uma parede inteira na Assembleia Legislativa na última quarta-feira (2)

Conhecida popularmente como Esperança, a Tettigonia Viridissima é um tipo de gafanhoto
Conhecida popularmente como Esperança, a Tettigonia Viridissima é um tipo de gafanhoto
Foto: Reprodução/Pixabay

A Tettigonia Viridissima é a última que morre! Já ouviu esse ditado popular? Pois é, se não fosse por esse nome científico, com certeza você se lembraria de algum momento ter feito um trocadilho com a Esperança, aquele bichinho verde. Nos últimos dias, moradores da Grande Vitória têm falado nas redes sociais sobre a infestação do inseto, que acabou surpreendendo ao ocupar uma parede inteira na Assembleia Legislativa do Estado nesta quarta-feira (2).

Leia também

O professor e especialista em insetos, Aloisio Falqueto, explica que a Esperança, como é popularmente conhecida, é um tipo de gafanhoto, da ordem Orthoptera, e que a infestação dos últimos dias acontece por causa da vegetação, alimento do inseto, que o atrai.

"A natureza é exuberante. Essa fase é a adulta, mas antes de ser assim, a Esperança é uma lagarta que come folhas novas que brotam depois das chuvas com tempo quente. Mas a infestação deve passar rápido, pois é um ciclo pequeno até ela crescer", explica o professor.

Ele explica, ainda, que não há necessidade de inseticidas mesmo nas casas que possuem jardim. A Tettigonia Viridissima não prejudica as plantas, apesar de ser alimento. O professor conclui que a Esperança é inofensiva. Aparece tanto na zona rural quanto na cidade e tem hábitos noturnos.

"É muito comum que esse gafanhoto apareça em áreas verdes, terrenos baldios, jardins. Pode danificar algumas plantas, mas nada preocupante, por isso não tem sentido utilizar inseticida. Até porque a infestação deve acabar logo por conta dos pássaros, que são os principais predadores", acrescenta Aloisio.

No twitter, há quem procure sinais para "manter a Esperança"

 

 

Ver comentários