Notícia

Justiça ouve adolescente suspeito de participar de massacre em Suzano

O advogado de defesa nega qualquer envolvimento no crime

Adolescentes usaram revólver e arma medieval durante ataque em Suzano
Adolescentes usaram revólver e arma medieval durante ataque em Suzano
Foto: Reprodução | TV Globo

Um adolescente de 17 anos acusado de participar do planejamento do ataque contra a Escola Estadual Raul Brasil, no município de Suzano, em São Paulo, passará novamente por uma audiência nesta quinta-feira (04). O caso segue em segredo de Justiça.

O jovem é acusado pelo Ministério Público e pela Polícia Civil de ser um dos mentores do ataque. Ele foi apreendido no último dia 19, está em uma unidade da Fundação Casa e pode permanecer internado por até 45 dias. Após esse prazo, a Justiça deverá se pronunciar a respeito de uma sentença definitiva, que pode durar no máximo três anos.

 

Leia também

O advogado Marcelo Feller, defensor do adolescente, nega que o jovem tenha qualquer ligação com o crime. Ele diz que o rapaz realmente fantasiou atacar a escola com um dos autores do massacre, também de 17 anos, em 2015, quando ambos tinham entre 13 e 14 anos. Porém, ainda segundo o advogado, os dois brigaram em outubro daquele mesmo ano, voltando a se falar somente em 2018. De acordo com o defensor, o adolescente apreendido não acreditava que o amigo pudesse realmente fazer o atentado.

O ATAQUE

O atentado contra a escola, na manhã do dia 13 de março deste ano, foi provocado por dois ex-alunos - um de 17 anos e um de 25 - encapuzados e armados. Dez pessoas morreram: duas funcionárias da escola, cinco alunos, um comerciante que era tio de um dos atiradores e os dois atiradores. O atentado deixou ainda 11 feridos.

O único estudante que ainda estava internado após o crime recebeu alta médica na última terça-feira (02). O estudante, de 15 anos, estava na enfermaria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), na capital paulista.

> Suzano: último ferido em ataque a escola recebe alta médica

Ver comentários