Notícia

Mistérios e belezas na Ilha dos Franceses

Local fica a quatro quilômetros da Praia de Itaipava. A viagem de barco dura 20 minutos

Há quase quatro quilômetros da Praia de Itaipava, em Itapemirim, Sul capixaba, uma área de dois mil quilômetros quadrados impressiona. Além de opção de passeio turístico, a Ilha dos Franceses abriga lendas, história e é sustento de muitos habitantes que, nesta época, vivem do turismo na região.

 

Com uma área de 2 mil quilômetros quadrado, a ilha tem praia de águas cristalinas
Com uma área de 2 mil quilômetros quadrado, a ilha tem praia de águas cristalinas
Foto: Divulgação/PMI

A imponente ilha pode ser vista das praias de Itaoca e Itaipava, mas para acessá-la é preciso ir de barco. A viagem dura cerca de 20 minutos. Dos seus 63 anos, Cazimiro Ramos Neto está à frente do pequeno barco há pelo menos 40. Ele diz conhecer o local como ninguém.



O padrasto de seu pai, que ele chama de avó, foi um dos ‘guardadores’ do farol, construído pelos franceses em 1730. O local, no ponto mais alto da ilha, foi habitado por muitos anos pelos franceses, que ocuparam a ilha em estratégia contra portugueses e índios puris.



Cazimiro não lembra ao certo da data, mas guarda na memória como era feita a travessia na época pelo seu avô, João do Farol. “Minha avó era descendente de índios, se casou com ele após ficar viúva. Ele vinha de canoa, da ponta da pedra da praia de Itaoca para o farol. Venho aqui desde os sete anos.”



O farol de navegação da marinha, com seus 12 metros, funciona até hoje. Segundo o secretário de Turismo, Elionai Gomes Martins, ele possui uma bateria que carrega durante o dia e dá o sinal luminoso à noite para que as embarcações não venham a se colidir na ilha.



O refúgio ainda tem uma pequena praia com águas cristalinas e a Gruta do Judeu, onde há a espécie Morcego Pescador, descoberto pelo cientista Augusto Ruschi. A gruta, um túnel com aproximadamente 150 metros, leva até um portão de onde não é possível mais prosseguir. É sobre o local que se ouve lendas. Alguns, dizem que a 350 metros as lanternas apagam, outros, que o túnel leva até ao Monte Aghá, em Piúma. Para Cazimiro, as histórias não passam de mentira.


A ilha abriga grande diversidade da fauna e da flora. Segundo o secretário de Meio Ambiente, Tiago Leal, há bromélias, garças, atobás, répteis, peixes, além de restinga e Mata Atlântica.

 

Serviço

 

Visitas à ilha
As viagens à ilha custam, em média, R$ 30 saindo pela praia de Itapemirim. O passeio inclui parada para mergulho. A dica é buscar horários matutinos, por conta da maré baixa. A orientação é de que a visita, em solo, ao entorno da ilha seja feita com um guia, por conta das altas formações rochosas e a presença de cobras.

Ver comentários