Notícia

Polícia faz blitz itinerante para driblar avisos nas redes sociais

Operações mudam de ponto em poucos minutos; equipes fazem rondas perto de bares

Para tentar surpreender motoristas que avisam das operações em redes sociais, o Batalhão de Policia de Trânsito (BPTran) está fazendo blitze surpresa, modificando o local por várias vezes seguidas e também dividindo uma equipe em várias menores, que se espalham pelo bairro em que estão.

“Temos diversos grupos que trabalham de dia e à noite, e cada um tem oito policiais em média. O cabo ou o soldado que estiver no comando dessas equipes tem liberdade para trabalhar várias estratégias que utilizamos”, explica o capitão Isaac Rubim, que comanda a 3ª Companhia do BPTran, direcionada ao policiamento rodoviário e à fiscalização.

Policiais têm autonomia para modificar o local das fiscalizações da Lei Seca
Policiais têm autonomia para modificar o local das fiscalizações da Lei Seca
Foto: Fernando Madeira

Assim, eles podem dirigir-se para alguma região onde esteja acontecendo um show ou que tenha muitos bares e realizar uma fiscalização mudando de ponto de tempos em tempos, conforme acharem necessário. Ou dividem-se em três ou quatro viaturas para fazer rondas. “Até fechamos vias em regiões de grande concentração de bares para evitar que os condutores saiam sem ser fiscalizados”.

É o fator surpresa, que deixa a polícia um passo a frente do motorista infrator. “Em uma abordagem, um condutor disse que parecíamos fantasmas, pois tinha acabado de passar por uma via e não viu nada, voltou minutos depois e já estávamos com a operação montada”, conta Rubim.

Isso confunde o motorista que acompanha as blitze por meio das redes sociais e também dos aplicativos de telefones, como o Whatsapp. “Dobramos a efetividade. Antes, de 11 condutores abordados, um era autuado por embriaguez. Agora de seis, um é flagrado”, diz o capitão.

Mais de 600 abordagens em bares e boates

Além das blitze surpresa, a PM tem investido desde 2013 em policiais à paisana que circulam à noite em bares e boates para observar quem faz uso de bebida alcoólica e depois vai dirigir. No ano passado, 623 motoristas foram flagrados por essa estratégia.

Os policiais que participam deste tipo de ação informam a situação por telefone a colegas que estão em viatura próximo ao local para que seja feito o flagrante.

“Em 2014 tivemos 99,52% de efetividade nessa modalidade. Dos 626 abordados, somente três não tinham ingerido bebida alcoólica”, salienta o capitão Isaac Rubim, comandante da 3ª Companhia do Batalhão de Polícia de Trânsito.

Soma de ações

Apesar da eficiência apresentada pelas blitze itinerantes, a ideia é continuar com os policiais à paisana, até mesmo ampliando a ação.

“As operações têm que ser somadas. Não podemos abandonar essa sensação de vigilância enorme que um agente infiltrado dá”, pontua Rubim.

Ver comentários