Notícia

Alerta de "propagação explosiva" do vírus zika

Segundo OMS, doença pode atingir 4 milhões de pessoas na América. No Estado, já são 1.507 casos

O que a população já sente a Organização Mundial de Saúde (OMS) confirmou com o alerta de que o vírus zika se propaga “de maneira explosiva” nas Américas, como afirmou a diretora-geral da organização, Margaret Chan. No Estado, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) registrou 335 casos a mais em comparação com o último boletim. Hoje há 1.507 casos suspeitos de infecção.

Segundo a organização, o número de casos no continente pode chegar a quatro milhões. A estimativa da entidade é de que deva ocorrer 1,5 milhão de casos no Brasil e de três a quatro milhões na América.

Já foram notificados casos em 23 países e territórios da região. “O nível de alerta é extremamente alto”, disse Margaret Chan em entrevista à imprensa internacional.

A Direção de Doenças Comunicáveis e Análise de Saúde da OMS reconheceu ainda que o risco da doença se espalhar é grande e alertou aos países para “não esperar para agir”.

Embora ainda não haja confirmação científica, há certo consenso entre médicos e especialistas de que o vírus zika esteja associado aos crescentes casos de recém-nascidos com microcefalia. No Estado, o boletim epidemiológico divulgado ontem mostrou que há 53 bebês, entre nascidos e em gestação, com suspeita de microcefalia.

Ainda não há vacina ou tratamento contra a doença. Mas Brasil e Estados Unidos fecharam acordo para produzirem em conjunto uma vacina. A substância só poderá chegar ao mercado em, no mínimo, três anos, para dar tempo de todos os testes serem realizados.

“A nossa luta nesse momento tem que ser insistente. As pessoas não podem desanimar. Nosso foco é impedir o mosquito de nascer”, diz Gilsa Rodrigues, gerente de Vigilância em Saúde da Sesa.

Notificação

Doze das 28 pessoas notificadas pelo Ministério Público do Espírito Santo (MPES) receberam orientação ontem sobre como acabar com os focos do mosquito Aedes aegypti, causador da dengue, da zika e da chikungunya.

São pessoas e órgãos notificados porque são reincidentes no não combate aos focos do mosquito. Quase se tornaram alvos de ação criminal por causa disso.

Bombeiros no combate ao mosquito na Capital

Militares e agente de saúde durante ação conjunta
Militares e agente de saúde durante ação conjunta
Foto: Marcelo Prest

O Corpo de Bombeiros começa hoje a auxiliar, em Vitória, no combate à infestação Aedes aegypti, mosquito causador da dengue, da zika e da chikungunya.

Eles vão assumir funções que eram desempenhadas pelo Exército, que vai ser rearticulado para outros municípios.

Em Vitória houve 291 notificações de zika e 581 de dengue. “Nossa vertente é a mobilização social. Já fizemos muitas ações, mutirões com as Forças Armadas, ações em igrejas e nas feiras”, exemplifica Arlete Frank Dutra, gerente de Vigilância em Saúde de Vitória.

Na Serra, houve 33 casos notificados de zika só em 2016. Ano passado, foram 85 notificações. “Não estamos tendo volume grande de notificações nem nas unidades de saúde”, avalia Kelly Rose Areal, superintendente da Vigilância em Saúde da Serra.

“Mas trabalhamos como se estivesse em epidemia”, acrescenta Kelly. Na cidade, as visitas domiciliares foram intensificadas. O carro fumacê também passa combatendo o mosquito.

A superintendente diz que, com o retorno às aulas, o trabalho educacional será reforçado com as crianças para que levem o conceito de prevenção para dentro de suas casas.

O município de Cariacica também adota mutirões de combate e conscientização de moradores sobre o Aedes aegypti.

“Durante todo o dia, das 9h às 16h, as equipes atuam nas ruas orientando os moradores com relação aos riscos da zika vírus e realizando ações de limpeza”, informou por nota a Prefeitura de Cariacica.

Assim como as outras prefeituras, apresenta checklist, com uma lista de ações que devem ser verificadas pelos moradores para garantir a eliminação do foco dos mosquitos.

Carros e motos fumacês passaram pelos bairros Vale dos Reis, Nova Brasília, Valverde, Oriente e Jardim América.

Algumas ações

Municípios

Vitória

Carros fumacês, com prioridade onde houve notificação de zika; visitas domiciliares em 100% dos município; ações integradas com lideranças comunitárias, Exército e Corpo de Bombeiros; divulgação do checklist, com ações que os moradores podem adotar; notificação de imóveis com risco de proliferação do mosquito.

Vila Velha

Carros fumacês; mutirão “Força Tarefa Contra a Zika”, com ações em canteiros de obras, escolas e condomínios. Inclui orientação aos moradores. Denúncias pelos telefones (27) 3388-4171 ou 0800 283 9059.

Serra

Intensificação de visitas domiciliares, trabalhos de educação, principalmente no retorno às aulas, além de carros fumacês e parceria com o Exército.

Cariacica

Mutirões de limpeza nos bairros com maior incidência de dengue, em conjunto com agentes de saúde, Defesa Civil, fiscais e outros. Carros e motos fumacês completam os trabalhos.

Boletim

Dengue

Foram 5.904 casos de dengue de 3 a 23 de janeiro. Quatro são suspeitos da forma grave.

Zika

São 1.507 casos suspeitos esta semana; 13 confirmados. Notificados 53 bebês com microcefalia.

Ver comentários