Notícia

Passageiro é morto durante assalto a ônibus do Transcol

O crime aconteceu no coletivo que faz a linha 505 (Terminal Itacibá-Terminal Laranjeiras/via Beira-Mar), na orla de Camburi

Uma tentativa de assalto a um ônibus do Transcol com cerca de 40 pessoas na orla de Camburi, em Vitória, no final da noite desta quarta-feira (02), terminou com um passageiro morto e outro baleado dentro do coletivo. Os tiros foram disparados por um subtenente da Polícia Militar à paisana ao tentar conter a reação do bandido, que portava a réplica de uma arma (simulacro).

Segundo relato dos passageiros, a ação do bandido, identificado como Fábio Pereira dos Santos, 36 anos, começou quando ele entrou no ônibus da linha 505 (Terminal Itacibá-Terminal Laranjeiras/via Beira-Mar) no ponto de um shopping na Enseada do Suá.

Inicialmente, o criminoso sentou antes de passar a roleta e, na altura de um posto de gasolina no cruzamento da Avenida Dante Michelini com a Avenida Adalberto Simão Nader, se levantou e anunciou o assalto.

Passageiro foi morto a tiros dentro de ônibus do Transcol, na orla de Camburi, em Vitória
Passageiro foi morto a tiros dentro de ônibus do Transcol, na orla de Camburi, em Vitória
Foto: Wesley Ribeiro

“Levantou com uma mochila, sacou uma arma, anunciou o assalto e botou o terror mesmo. Mandou todos os passageiros abaixarem a cabeça, todas as cadeiras estavam ocupadas”, relatou uma testemunha que estava no ônibus.

Fábio abordou um passageiro, que estava depois da roleta, e exigiu que ele pegasse a mochila de suas mãos e recolhesse os pertences dos demais. O passageiro cumpriu a ordem do criminoso, mas ficou muito nervoso.

“O rapaz ficou nervoso, mal conseguia segurar a sacola. Foi aí que o assaltante exigiu que o segundo passageiro fizesse isso”, declarou uma passageira.

Em seguida, Fábio pulou a roleta para pressionar os reféns. A passageira acrescentou que, nesse momento, o subtenente se apresentou: “O policial que estava próximo de nós levantou, falou que era da polícia, e deu voz de prisão. Foi desesperador”.

Segundo relatos ouvidos pela Polícia Militar, o assaltante apontou a arma na direção do subtenente, o que fez o policial - que atua no Centro Integrado Operacional de Defesa Social (Ciodes), e que levava a farda em uma bolsa - começar a disparar.

O passageiro que recolhia os pertences dos outros ocupantes do Transcol, funcionário de uma loja de departamentos, identificado como Cleverton Oliveira Cabral, 29 anos, foi atingido por disparos, assim como um outro passageiro, que levou um tiro no tórax e em um dos braços. A esposa desse passageiro relatou que o policial, ao reagir, gritou: “Sou da PM, sou da PM”.

Houve ainda mais desespero dentro do ônibus e o motorista parou o veículo na Avenida Dante Michelini, próximo ao um hotel, na região da entrada de Jardim Camburi, abrindo as portas.

O bandido foi baleado no braço, saiu correndo em direção a uma área de restinga na praia, mas foi preso em seguida. Já o passageiro que foi obrigado a saquear os demais caiu morto no meio da Avenida Dante Michelini.

Bandido se escondeu na praia

Após a reação do subtenente dentro do ônibus do Transcol, o assaltante fugiu correndo, mas foi capturado minutos depois por uma radiopatrulha da Polícia Militar na área de restinga da praia de Camburi.

Houve tentativa de linchamento, mas Fábio Pereira foi colocado em uma viatura e levado para o Hospital São Lucas.

O rapaz que trabalhava em uma loja de departamento e foi obrigado a saquear os demais passageiros também saiu do ônibus e caiu morto ao lado do coletivo.

O outro passageiro baleado foi socorrido pelo Samu e levado para o Hospital Jayme Santos Neves. O subtenente que reagiu ao assalto permaneceu dentro do ônibus e depois deu declarações para os policiais que foram atender a ocorrência.

“Quando os tiros começaram, o motorista - que já vinha em baixa velocidade por ordem do ladrão - parou o ônibus e abriu as portas. O bandido saiu correndo e o rapaz que morreu também desceu do ônibus, caindo morto aqui fora”, relatou uma outra passageira.

A Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa foi para o local iniciar a apuração do crime. A perícia da Polícia Civil, assim como a Polícia Militar também estiveram no local.

Segundo caso em duas semanas

O motorista doTranscol José Francisco Xavier Alves, 48 anos, foi morto por um disparo acidental.
O motorista doTranscol José Francisco Xavier Alves, 48 anos, foi morto por um disparo acidental.
Foto: Divulgação

Em menos de duas semanas, é o segundo grave caso de violência dentro do Transcol. Na manhã do dia 22 de outubro, o motorista José Francisco Xavier Alves, 48 anos, foi morto, vítima de um tiro, dentro do ônibus da linha 658, que faz o trajeto entre o Terminal do Ibes e o Terminal de São Torquato.

Em Aribiri, Vila Velha, quatro homens entraram e pularam a roleta. O último deles estava com uma arma, que caiu e disparou, acertando José Francisco nas costas. A câmera de videomonitoramento do coletivo não estava funcionando.

Cerca de 17 horas após o crime, Adson Sena Purcino, de 18 anos, foi preso pelo assassinato. Ele confessou que a arma era dele e foi autuado por homicídio doloso, quando há intenção de matar.

Quatro dias depois, em 26 de outubro, justamente para evitar novas ocorrências e aumentar a segurança dentro dos coletivos e dos terminais, propostas foram apresentadas pela polícia e o sindicato dos rodoviários para aumentar a segurança nos coletivos.

Entre as medidas estão catracas elevadas, câmeras reposicionadas e aplicativo de denúncia. Os pedidos foram feitos durante reunião entre prefeituras, rodoviários, Secretaria de Segurança Pública (Sesp) e empresas de ônibus. A criação de um aplicativo, que vai estabelecer uma linha direta entre usuários e a polícia, está entre as principais demandas.

Ver comentários