Notícia

Subtenente diz que atirou para se defender

Claudison Mendonça afirmou que "tomou a decisão mais óbvia" ao reagir e atirar no ônibus

O subtenente prestou depoimento na 1ª Delegacia Regional e foi liberado
O subtenente prestou depoimento na 1ª Delegacia Regional e foi liberado
Foto: Bernardo Coutinho

O subtenente da Polícia Militar Claudison Mendonça Barbosa, 43 anos, disse que reagiu contra bandidos que praticavam assalto no ônibus. O policial frisou que o que ele viu foram criminosos, e reagiu contra eles. “Eles falavam com frequência que iriam matar a gente. Reagi a três bandidos que estavam assaltando o ônibus. Eu tomei a decisão mais óbvia que tinha”, ressaltou o PM, que foi liberado

O subtenente prestou depoimento na 1ª Delegacia Regional e contou que havia acabado de sair do serviço e pegou o coletivo a caminho de casa. Ele afirmou que sentou em uma cadeira no fundo, segurando a sacola onde estava a farda e portando a arma, um revólver calibre 38, com seis munições.

Ele contou ainda que, na Avenida Dante Michelini, ouviu um homem anunciando o assalto, próximo ao motorista, e mandando todos abaixarem as cabeças, ameaçando atirar em quem olhasse para ele.

Segundo o subtenente, ele ouviu quando o criminoso, Fábio Pereira dos Santos, deu instruções para que outro homem pegasse pertences de passageiros.

O militar disse que o bandido afirmou que era para o outro homem abrir as bolsas das vítimas. O subtenente ainda afirma que ficou com receio dos bandidos abrirem a sacola com a farda e o matarem.

Em todo o depoimento, o militar se refere ao passageiro Cleverton Oliveira Cabral como assaltante. Ele diz que ficou de cabeça baixa e Fábio teria se aproximado e afirmado: “gordo, abra a sua sacola”.

O militar afirma que, sem opção, sacou a arma, se identificou como policial e atirou duas vezes contra Fábio. O bandido correu para a parte da frente do coletivo, pulou por cima do cobrador e fugiu. Cleverton também correu e se escondeu na escada da porta do meio do coletivo, com a mochila na mão. Segundo o subtenente, neste momento, ele se levantou e foi atrás deles.

Agachado

O militar diz que quando chegou na parte do meio do coletivo, viu Cleverton agachado. Ele relata que Cleverton teria feito um movimento como se fosse partir para cima dele. Por isso efetuou um disparo, que atingiu o peito do fiscal de loja. O subtenente ainda diz ter dado outros dois tiros. Um outro passageiro, um vigilante, 43 anos, foi atingido no braço.

Claudison ainda ressalta que teria visto um terceiro suposto assaltante, que teria fugido do local.

Coronel: policial foi afastado das funções

O subcomandante da Polícia Militar, coronel Ilton Borges, afirmou durante coletiva de imprensa, na manhã de ontem, que o policial militar Claudson Mendonça Barbosa foi afastado de suas funções. O PM tem 23 anos de corporação.

“Esse afastamento vai perdurar até que a polícia faça uma avaliação também da atitude tomada por ele no momento dos fatos”, informou o coronel. Porém, de acordo com a Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp), o policial não será afastado, mas sim transferido do posto operacional para um posto administrativo.

O subcomandante da corporação disse ainda que, a princípio, a atitude do policial militar está correta. “Em tese, a gente percebe que ele agiu em pela legítima defesa. Mas é preciso fazer uma análise geral da atitude do policial e saber se com a reação dele, não colocou em risco a vida dos passageiros”, declarou o coronel Ilton Borges.

O subcomandante falou ainda sobre o treinamento dado pela PM. “É preciso destacar que o policial militar possui um treinamento e esse treinamento leva em consideração a circunstância e em não colocar em risco a vida das pessoas que estão ao redor”, declarou.

A Corregedoria da Polícia Militar acompanha o trabalho da Polícia Civil e não se manifestará antes de receber a conclusão do inquérito policial civil. Qualquer manifestação da PM sobre o caso pode influenciar na apuração da ocorrência.

Assaltante baleado no ônibus tem ficha criminal extensa

A ficha criminal do assaltante Fábio Pereira dos Santos, 36 anos, que anunciou o assalto ao ônibus, é extensa. Segundo o sistema da Polícia Civil, o bandido, que foi baleado e está em estado grave do hospital São Lucas, já havia sido preso diversas vezes por roubos.

No último registro, com data de 2013, ele havia sido preso também por roubo. Foram pelo menos seis passagens pela Justiça desde 1999. A Polícia Civil informou que Fábio foi autuado por roubo no caso do ônibus. Ele ficará à disposição da Justiça após ter alta do hospital.

Ver comentários