Notícia

Que fim levou o projeto para instalar ar-condicionado no Transcol?

Em 2014, o MPT entrou com ação civil pública para que os coletivos, entre outros requisitos, tivessem ar-condicionado

Foto: Fernando Madeira

O sol nasce para todos. Mas quem precisa enfrentar jornadas longas dentro de um ônibus sabe que, na maior parte do tempo, parece que ele nasce dentro do coletivo mesmo. Pensando em amenizar o calor e melhores as condições de trabalho dos cobradores e motoristas, o Ministério Público do Trabalho (MPT) entrou com uma ação Civil Pública para que fossem instalados aparelhos de ar-condicionado nos coletivos do sistema Transcol. Isso foi em agosto de 2014. De lá pra cá, o processo seguiu no Tribunal Regional do Trabalho e, até agora, nada de decisão.

O pedido do MPT requeria também que os ônibus tivessem câmbio automático e que os motores fossem instalados na parte traseira do veículo. No documento, o órgão destacou a “frequente exposição dos trabalhadores (em especial, motoristas e cobradores) a agentes físicos insalubres, tais como vibração, ruído, calor, gases, vapores e poeiras”.

> Que fim levou a travesti que matou policial na Mata da Praia?

Segundo o Ministério Público, desde o início do processo foi realizada uma perícia a pedido da Justiça. Foram avaliados ônibus de diversas linhas, analisando os agentes agressivos ruído, calor e vibração, em diferentes tipos de piso (asfalto, paralelepípedos, bloquetes e terra batida) para diagnóstico de insalubridade.

Ainda segundo o órgão, para todo os agentes agressivos foram constatados resultados abaixo dos Limites de Tolerância. Entretanto, todos ficaram acima do 'Nível de Ação', que significa a necessidade de adotar medidas preventivas e de monitoramento para conservar o ambiente abaixo do limite de tolerância.

Também foi realizada uma Análise Ergonômica do Trabalho para identificar as adaptações das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos motoristas. O resultado da perícia e da análise serão apresentados em audiência agendada para junho deste ano. Ou seja, a ação continua e ainda há a esperança de que um dia tenhamos ar-condicionado nos coletivos.

PARTICIPE!

Você se lembra de alguma notícia veiculada no passado aqui no Gazeta Online e gostaria de saber 'que fim levou'? Envie sua sugestão para [email protected]

Ver comentários