Notícia

Pedreiro encontra fantasia de "Homem de Ferro" e devolve ao dono

Graças a Walteir dos Santos Motta, o funcionário público federal Wellington Pereira, de 54 anos, conseguiu recuperar a vestimenta levada por bandidos na Praia do Canto

O Pedreiro Walteir dos Santos Motta, de 29 anos, encontrou o <aspas>Homem de Ferro<aspas>, Wellington Pereira, de 54, para devolver a fantasia que estava desaparecida
O Pedreiro Walteir dos Santos Motta, de 29 anos, encontrou o Homem de Ferro, Wellington Pereira, de 54, para devolver a fantasia que estava desaparecida
Foto: Edson Chagas

A fantasia de "Homem de Ferro" do funcionário público federal Wellington Pereira, de 54 anos, que foi levada por bandidos após um assalto, foi encontrada. Graças ao pedreiro Walteir dos Santos Motta, conhecido como Gugu, 29 anos, o super-herói vai continuar alegrando a criançada capixaba.

Sem saber que a devolução da fantasia valia a recompensa de R$ 500, Gugu encontrou a roupa há duas semanas embaixo da Segunda Ponte, próximo à Polícia Federal, em São Torquato, Vila Velha, enquanto catava ferro-velho. Ele a levou para a casa e surpreendeu o filho, de 6 anos, que ficou encantado com o pai vestido de super-herói.

Neste fim de semana, Gugu decidiu convidar o amigo Raimundo Douglas Soares Bastos, de 52 anos, para vê-lo vestido com a fantasia. Leitor do Notícia Agora, Raimundo reconheceu imediatamente a fantasia que teve o sumiço noticiado pelo jornal na última quinta-feira, dia 1º. Raimundo entrou em contato com a redação de A Gazeta e o encontro foi marcado na sede da empresa na manhã desta segunda (05).

“Como eu trabalho de dia e só volto à noite para casa, nem fiquei sabendo que a fantasia estava sendo procurada. Meu filho não queria que eu devolvesse, mas falei com ele que a roupa tem dono e não é nossa. Fiquei feliz porque, além de ter ajudado o rapaz, ainda ganhei um trocado”, conta Gugu.

O dinheiro da recompensa já tem uma finalidade. Segundo Gugu, que mora no Morro da Companhia, em Itaquari, Cariacica, ele vai ao supermercado fazer feira na tarde desta segunda-feira (5).

“R$ 500 para minha família faz muita diferença. Quando a situação fica difícil, eu cato ferro-velho, lavo carro, capino terreno. Com três filhos e minha esposa grávida, não espero pela sorte, então faço de tudo”.

Desacreditado que iria encontrar a fantasia, Wellington já estava se preparando para adquirir outra roupa para dar continuidade ao seu trabalho voluntário com crianças internadas em hospitais. Ela foi feita pelo artista plástico Gildo Alfaia, que é natural do Amazonas, mas atualmente mora no Espírito Santo devido a seu trabalho no Carnaval capixaba. Feita de isopor e fibra de vidro, a armadura custou R$ 1,2 mil.

“Achei que ela tivesse sido queimada, jogada fora ou triturada pelo caminhão de lixo. Os bandidos devem ter visto que não tinham valor e se desfizeram. O valor dela para mim é o sentimental. Agora vou recupera-lá com fibra de vidro”, conta o “Homem de Ferro”.

O caso

O assalto aconteceu no último dia 7 de maio, na Praia do Canto, em Vitória. Na ocasião, Wellington foi rendido por três bandidos ao parar em um semáforo próximo à Praça dos Namorados.

"Eram por volta das 21 horas. Eles já chegaram abrindo a porta e me dando um 'mata leão'. Desmaiei, fui jogado para fora do carro e levaram meu veículo. Dentro, havia documentos e minha fantasia. O carro apareceu dois dias depois em Cariacica. Mas a armadura não estava mais lá", lembrou.

O funcionário público ainda esperou por alguns dias para ver se a fantasia era encontrada. Como não houve retorno, ele publicou na manhã da última quarta-feira (31) em seu perfil no Facebook um apelo para que a armadura fosse devolvida, oferecendo o valor de R$ 500.

"Há 14 anos eu faço trabalhos voluntários para crianças em hospitais, além de ser responsável pela organização da festa do Dia das Crianças, no Condomínio Atlântica Ville, em Jardim Camburi. Há um ano a fantasia que usava era do Homem de Ferro, que fez muito sucesso com as crianças", disse.

Ver comentários