Notícia

Estado espera liberação de verba para tirar projetos do papel

Um deles é o BRT, reduzido para sistema de faixas preferenciais para os ônibus

 

Obras do BRT podem melhorar os principais gargalos da Região Metropolitana
Obras do BRT podem melhorar os principais gargalos da Região Metropolitana
Foto: Arquivo

A liberação de recursos do BNDES de R$ 530 milhões pode garantir um desfecho para alguns projetos estaduais que há anos só existem no papel. É o que garante o secretário de Transportes e Obras, Paulo Ruy Carnelli. O Estado possui diversas obras que só existem em projetos e maquetes, uma situação semelhante à de Vitória.

Levantamento realizado por A GAZETA, e divulgado na edição de ontem com exclusividade, mostra que pelo menos 60 projetos deixaram de ser executados nos últimos 20 anos na Capital.

Para alguns deles foram utilizados recursos públicos no desenvolvimento de maquetes e projetos executivos, e feitas previsões orçamentárias. Mas acabaram se perdendo no tempo. “Juntos compõem uma cidade virtual”, resume o arquiteto e mestre em Urbanismo, com pós-graduação em Políticas Públicas e em Gestão Ambiental, Antonio Chalhub.

Este ano

Leia também

Na última sexta-feira Carnelli se reuniu com a diretoria do BNDES e espera que, após as negociações, até novembro os recursos que já estavam garantidos, sejam liberados. “Estamos agindo de forma responsável, batalhando para que o dinheiro seja liberado. Depois desta conquista, pensaremos em novas possibilidade de financiamento para outros projetos no futuro”, diz.

Com isso ele avalia que possam ser iniciadas ou retomadas obras que vão melhorar os principais gargalos viários da Região Metropolitana. Dentre eles está a implantação do sistema de faixas preferenciais para os ônibus. É o antigo BRT, que acabou sendo remodelado por falta de recursos para a totalidade das obras que pedia.

Segundo Carnelli, o investimento total no programa de mobilidade é de R$ 760 milhões, sendo 30% de contrapartida do Estado (R$ 230 milhões).

Neste pacote de obras estão ainda o Portal do Príncipe, em Vitória; a ampliação da BR 101, entre o aeroporto e o viaduto da Vale, com passagem subterrânea de veículos para acesso à Avenida João Palácio, em Carapina, na Serra; a ampliação da capacidade da Rodovia Carlos Lindenberg, no trecho Cobi - Rodovia Darly Santos; e a construção de um binário nos bairros Nova América – Vasco da Gama, em Vila Velha.

Carnelli assinala ainda que as obras da Rodovia Leste-Oeste estão em andamento, com previsão de liberação da via em dezembro. O mesmo deve ocorrer com a implantação da Avenida Alice Coutinho (Corredor Sudeste) e as obras da Avenida Leitão da Silva, em Vitória, e da Rodovia José Sette, em Cariacica.

Pendências

O Cais das Artes aguarda a contratação da empresa que fará o gerenciamento da obra e depois da que irá executar o projeto. A expectativa é de retomada das obras no primeiro semestre do próximo ano. Para a Quarta Ponte o projeto está sendo concluído. O túnel e o aquaviário foram engavetados, temporariamente.

As novelas sem fim

Quarta Ponte

Nova ligação

A ideia foi apresentada em 2008, com previsão de conclusão para 2012, depois postergada para 2018. Seria mais uma ligação entre Vitória e Vila Velha. Depois de idas e vindas, anunciou-se que ela ligaria a Capital, a partir da Rodovia Serafim Derenzi, a Cariacica. O orçamento previsto era de R$ 1,2 bilhão. Em 2012 chegou a anunciar contratação de um projeto executivo no valor de R$ 7 milhões. De acordo com a Setop, o projeto está em fase final de elaboração, mas não há prazo para sua conclusão.

Leste-Oeste

A obra completa da ligação entre Cariacica e Vila Velha, estava prevista para ser entregue em 2015. Um atraso que já tinha elevado seu custo de R$ 70 milhões para R$ 180 milhões. Agora a previsão de liberação da via para o tráfego é dezembro deste ano, quando as obras deverão ser concluídas.

O projeto da Quarta Ponte está sendo concluído
O projeto da Quarta Ponte está sendo concluído
Foto: Reprodução

Viaduto sobre a Vale

Outro proposta para desafogar o trânsito na Avenida Dante Michelini, de onde sairia a passagem subterrânea, que daria acesso à Norte Sul, na Serra. Não saiu do papel.

Aquaviário

Em 2012 começou a fase de proposta para as empresas, mas só 2014 foi lançada a consulta pública, que acabou sendo suspensa por irregularidades. Agora são alguns municípios da Grande Vitória que pretendem retomar o projeto, com algumas lanchas, com função turísticas, mas não há prazos.

BRT

Três anos após lançar o projeto, em 2010 o governo anunciava que precisaria de R$ 1,4 bilhão para as obras do BRT, que seriam concluídas em 2014. Em 2012 foi anunciada contratação do consórcio responsável pelo projeto, que receberia R$ 26,3 milhões. Só a implantação da primeira etapa custaria R$ 740 milhões. Mas faltou dinheiro e o projeto foi suspenso e depois reduzido ao agora BRS, sistema de faixas preferenciais para ônibus, que aguarda a liberação de recursos do BNDES para novembro, para ser iniciado.

Portal do Príncipe

Projeto se arrasta desde 2008, cuja obra chegou a ser prometida para 2012. Em julho de 2014 foi liberada a ordem de serviço para a 1ª etapa. As obras incluiriam um viaduto que sairia do Porto de Vitória e passaria por cima da Avenida Elias Miguel, desembocando nas Cinco Pontes e na Segunda Ponte. Além do viaduto, que seria feito uma ampliação da Av. Elias Miguel, com seis pistas. Sem prazo, aguarda recursos do BNDES.

Obra do Cais das Artes está sendo licitada
Obra do Cais das Artes está sendo licitada
Foto: Vitor Jubini

Cais das Artes

A construção, que se arrasta desde 2010, foi prometida para 2011. Segundo o governo, está sendo licitada uma empresa para gerenciar a obra e, depois, será licitada a empresa que fará as obras, que devem ser retomadas no primeiro semestre de 2018 e concluída um ano e meio depois.

Túnel subaquático

Seria uma nova ligação entre Vitória e Vila Velha para aliviar o tráfego da Terceira Ponte. O custo chegou a ser previsto em R$ 1 bilhão. A ideia também foi lançada em 2008, inclusive com o projeto da Quarta Ponte. Após atrasos e falta de dinheiro, uma empresa chegou a ser contratada em 2011 para elaborar o projeto, com entrega prevista para 2014. O túnel, porém, está engavetado.

Passagem subterrânea

Em Carapina, seriam realizadas obras para ampliar a capacidade da BR 101, na região em frente ao Vitória Apart, onde seria implantada uma passagem subterrânea de veículos para acesso à Avenida João Palácio, eliminando o cruzamento com semáforo. Aguarda recursos do BNDES.

Ver comentários