Notícia

Capixaba conquista o 1º lugar na Olimpíada Brasileira de Matemática

Além do tempo na sala de aula, Guilherme dedica mais quatro horas para estudar em casa. Se sobra tempo para a vida social? O aluno é enfático: "O dia tem 24 horas"

Guilherme Nascimento de Oliveira, de 17 naos, conquistou o primeiro lugar geral na Olimpíada Brasileira de Matemática (OBMEP)
Guilherme Nascimento de Oliveira, de 17 naos, conquistou o primeiro lugar geral na Olimpíada Brasileira de Matemática (OBMEP)
Foto: Carlos Alberto Silva

O Espírito Santo está mais do que "bem representado" nacionalmente nas olimpíadas dos números. O aluno do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) de Vitória, Guilherme Nascimento de Oliveira, de 17 anos, conquistou o primeiro lugar geral na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) de 2017, agora unificada com a participação de alunos de escolas particulares.

Guilherme cursa o terceiro ano do ensino médio integrado ao curso técnico de Eletrotécnica no Ifes da capital. Participou da segunda fase da competição com mais 491 mil de candidatos de todo o país. Acertou todas as questões, e conquistou o primeiro lugar, empatado com outro estudante de uma escola técnica de São Paulo.

É o segundo ano que ele ganha medalha de ouro, dada aos 100 primeiros da competição. Guilherme revela o segredo do resultado: a paciência. “O segredo eu acho é que não tenho pressa. Fiz as questões com calma. Acho que esse o diferencial”, comenta Guilherme.

Leia também

As conquistas são por influência dos pais. A mãe, Aurélia Nascimento, é professora de língua portuguesa e redação, e o pai Marcelo de Oliveira, é professor de matemática há 22 anos. “Ele sempre teve contato com nosso esforço pelos os estudos. E foi seguindo esse caminho”, disse Marcelo orgulhoso com o prêmio do filho.

Não é somente em Matemática que Guilherme é bom. Ele participa de competições de conhecimento desde os 10 anos de idade. Já ganhou medalha nas Olimpíadas de Astronomia, Física e Química, e, recentemente, foi a Brasília, no Distrito Federal, receber a medalha de prata da Olimpíada Brasileira de Geografia. 

O DIFERENCIAL DO IFES

Segundo Guilherme, estudar no Ifes de Vitória foi o grande diferencial para poder resolver as questões da prova da olimpíada. Ele fala que os professores já aplicam no dia a dia exercícios que exigem alto desempenho para sua resolução. E são preparados para isso.

“A dificuldade com que eles cobraram as coisas é o que mais me ajudou. As provas costumam ser difíceis. Eles dão o foco muito grande às questões de exatas”, afirmou Guilherme.

A OLIMPÍADA

A OBMEP é dividida em três níveis: sendo o nível 1 com alunos do 6º e 9º ano do ensino fundamental, o segundo com alunos do 8º e 9º anos também do ensino fundamental, e o terceiro com alunos de qualquer ano do ensino médio.

A competição contempla duas fases de prova: a primeira composta por 20 questões objetivas, e segunda com seis questões discursivas. Só pode realizar a segunda fase os candidatos classificados na primeira com as melhores notas.

ENTREVISTA 

 

Estudou muito para a prova?

Tento aproveitar ao máximo o tempo que estou na escola. E para fixar as a matérias costumo pegar de três a quatro horas em casa.

E a vida social?

Ainda sobra muito tempo para isso. O dia tem 24 horas. Preciso de 8h para dormir, 8h para estudar e transporte. Estudo por mais quatro e ainda sobram quatro horas. Apesar que o tempo parece ser bem menor do que isso. Vou ao cinema, shopping, as vezes na casa dos amigos.

Tem facilidade com números?

Sempre tive mais facilidade com os números, apesar de me dar bem em português e redação. Mas prefiro matemática. O curso de eletrotécnica explora muito a matemática aí aprendo mais.

 

 

Ver comentários