Notícia

Operado do lado errado, homem vai receber R$ 50 mil de indenização

Hospital de Vila Velha, médico e seguradora de vida foram responsabilizados por danos morais e estéticos ao paciente

Paciente foi operado do lado errado
Paciente foi operado do lado errado
Foto: Reprodução

Um homem que foi operado do lado inverso ao qual a cirurgia deveria ser feita será indenizado em R$ 50 por um hospital de Vila Velha, pelo médico e por uma seguradora de vida. De acordo com o processo, o paciente ia passar por cirurgia para retirar uma hérnia inguinal do lado esquerdo. Mas, ao acordar na sala de recuperação, percebeu que o procedimento foi realizado do lado direito.

Após retirar os pontos, o cirurgião afirmou que faria a cirurgia do lado correto. Entretanto, o paciente declarou ser portador do vírus HIV e, por isso, não poderia ser operado a qualquer tempo, pois precisava de preparo e acompanhamento específico em virtude de sua imunidade.

Para determinar o valor da indenização, a juíza Terezinha de Jesus Lordello, da 3ª Vara Cível de Guarapari, entendeu que o médico ficou em dúvida em qual lado operar, indo contra os laudos do pré-operatório que deixavam bem claro o lado da enfermidade. 

Em sua defesa, o hospital alegou que o paciente procurou o serviço direto com o médico em seu consultório e que recebeu apenas pelo uso da estrutura hospitalar, que foi pago pelo plano de saúde do autor. Além disso, frisou que a hérnia seria bilateral, localizada no lado direito também. A juíza destacou, ainda, que a cirurgia deixou cicatrizes no lado direito do abdômen do paciente, ferindo a aparência estética. Por isso, determinou a indenização por danos morais em R$ 40 mil reais e mais R$ 10 mil por danos estéticos.

Em sua defesa, o hospital alegou que o paciente procurou o serviço direto com o médico em seu consultório e que recebeu apenas pelo uso da estrutura hospitalar, que foi pago pelo plano de saúde do autor. Além disso, disse que a hérnia era bilateral, localizada também no lado direito, fato que foi desmentido pela Justiça.

"São abundantes as provas de que a enfermidade do autor concentrava-se na região esquerda", concluiu a juíza.

Ver comentários