Notícia

"É uma ruína", diz engenheiro do Crea-ES sobre a Segunda Ponte

O local em ruínas fica próximo à ponte do Camelo, na saída para o bairro São Torquato, em Vila Velha

Parte da estrutura em estado de ruína, localizada no início do acesso a São Torquato próximo a ponte do Camelo
Parte da estrutura em estado de ruína, localizada no início do acesso a São Torquato próximo a ponte do Camelo
Foto: Divulgação | Crea

O laudo técnico produzido pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Espírito Santo (Crea-ES) sobre a Segunda Ponte mostra trecho em ruínas e muitas corrosões no concreto e ferragens que a sustentam. Em um dos locais, localizado na parte inferior da ponte, o concreto está despedaçado e sustentado apenas pela armação de aço, que também já está corroída. 

Leia também

"É uma ruína", avalia o engenheiro civil e coordenador do Grupo de Trabalho de Infraestrutura e Mobilidade Urbana do Crea-ES, Jaime Oliveira Veiga. "O pior é que tem moradores de rua vivendo embaixo dessa estrutura", complementa. Ele é um dos especialistas que assinam o laudo técnico feito na Segunda Ponte, divulgado nesta quarta-feira (20).

O local em ruínas fica próximo à ponte do Camelo, na saída para o bairro São Torquato, em Vila Velha. Naquele ponto, moradores de rua estão utilizando a ferragem exposta da ponte para pendurar redes. A armadura, por sua vez, está em estado avançado de corrosão.

Concreto corroído e ferragens expostas foram os problemas mais encontrados pelos engenheiros do Crea e estão presentes em toda a extensão da Segunda Ponte. A situação já foi denunciada diversas vezes pela reportagem do Gazeta Online.

"O concreto tem elementos solúveis em água. Quando a água passa, ele se dissolve e começa a ficar poroso. Fica parecido com uma pedra pome", explica o engenheiro. Sem o concreto, a armadura, que segura a estrutura, fica exposta e começa a ser corroída.

Fenda de 12 centímetros assusta motoristas na Segunda Ponte
Fenda de 12 centímetros assusta motoristas na Segunda Ponte
Foto: Fernando Madeira

Nas fendas que se abrem no concreto deteriorado, a vegetação cresce livremente, aumentando ainda mais o problema. Em algumas imagens feitas pelos especialistas é possível ver árvores inteiras brotando de juntas de dilatação, que deveriam servir para garantir a estabilidade da ponte.

JUNTAS DE DILATAÇÃO

As juntas de dilatação também foram alvo de análise dos engenheiros do Crea. Em uma delas, os especialistas constataram que ela dilatou 12 cm de um lado e apenas 4 cm do outro. "A estrutura trabalhou de um lado e ficou fixa do outro. Será preciso analisar o projeto da ponte, fazer levantamento topográfico, para descobrir porque isso aconteceu", afirma Jaime.

Em muitas das juntas a abertura está maior do que o normal e falta o material elástico, que deveria cobrir o vão. Por conta da abertura excessiva, parte do asfalto foi corroída na borda da junta, deixando ainda mais espaço para a água se infiltrar. 

O laudo técnico ressaltou que alguns dos problemas encontrados são falhas que vêm desde a construção da ponte, há 38 anos. Outras tantas apareceram por conta da ação do tempo e da falta de manutenção. "As construções não são eternas, elas precisam de cuidado. Se ficar abandonado, quando for cuidar a situação vai ser mais grave, vai estar mais comprometida", disse.

Os diversos problemas encontrados na Segunda Ponte podem colocar em risco a vida das pessoas. "Elas estão trafegando, indo trabalhar, procurando seu lazer e se expõem ao risco de vida", alerta o especialista do Crea. Segundo ele, o objetivo do órgão foi chamar a atenção para o problema e pedir que seja feito um exame minucioso e a recuperação do local com urgência.

O Dnit foi acionado pela reportagem, mas não deu retorno até a publicação desta matéria.

O DER-ES enviou uma nota no início da manhã desta quinta-feira (21) e disse o departamento está preparando junto ao Dnit um levantamento técnico detalhado com especialistas, em todos os componentes e acessos da Segunda Ponte. "O resultado desse levantamento será base para um cronograma conjunto de ações", finalizou a nota.

MAIS IMAGENS DO LAUDO DO CREA