Notícia

À espera de médico, criança vira a noite em cadeira de hospital no ES

Mãe fez vídeo para denunciar superlotação do Hospital Infantil de Vila Velha; diretora da unidade diz que todos os leitos estavam ocupados

No corredor, sentadas em cadeiras ou no colo da mãe, crianças esperam por atendimento no Hospital Estadual Infantil e Maternidade Alzir Bernardino Alves (Himaba), de Vila Velha. A cena filmada na manhã desta quarta-feira (17) por uma mãe repete-se com frequência no local.

Quem depende de atendimento no Himaba reclama que faltam macas e que as crianças são obrigadas a esperar, por horas, sentadas em cadeiras. A balconista Janeuza Filgueira, de 40 anos, diz que a filha de sete anos passou a noite inteira na cadeira e até o final da manhã desta quarta-feira (17) ainda aguardava atendimento médico.

"Ela passou o feriado na casa do pai, começou a sentir dor e a madrasta trouxe ela para cá. Cheguei ao hospital hoje de manhã cedo para ficar com ela, e continua tudo do mesmo jeito. Minha filha continua sentada na cadeira, dormiu no corredor. Disseram que ela está com um furúnculo no ouvido, que precisa drenar. Ela tinha que fazer um raio-x hoje de manhã e até agora (11h30) nada", reclama a mãe.

> Himaba recebe leitos, mas ainda há crianças no corredor

> Sindicato denuncia morte de quase 30 bebês em hospital no ES

Janeuza diz que há mães com crianças em situação ainda pior, e sem nenhum conforto no hospital. "A única coisa que eles mudam é da cadeira para a cadeira do papai, nem maca para a criança tem. Tem criança no corredor com pneumonia. Situação precária, absurda. Os pais trocam a fralda dos bebês aqui mesmo. Todo mundo sentado nas cadeiras, você passa a noite com a criança assim. As mães que estão aqui dizem que é frequente. Um pai se revoltou e quebrou até a vidraça aqui", contou.

HOSPITAL ADMITE SUPERLOTAÇÃO

Em entrevista ao Gazeta Online, a diretora técnica do Himaba, Patrícia Helena, confirmou que o hospital estava superlotado na noite desta terça-feira (16). Os 68 leitos do pronto socorro e os 44 leitos da enfermaria pediátrica, além dos leitos de UTI e emergência, estavam ocupados.

"Somos um pronto-socorro porta aberta, demanda espontânea, vai chegar gente aqui a qualquer hora e o paciente vai ser atendido. Tivemos uma superlotação essa noite, com atendimento e internação acima da nossa capacidade. Quando isso acontece ainda temos o leito de observação, que é onde ficam as cadeiras do papai. Ontem, todos os leitos estavam ocupados. O vídeo em questão mostra a sala de observação. Ali tem algumas crianças com medicação, mas ali ficam os pacientes que estão aguardando atendimento ou precisam ser reavaliados", explicou.

Ainda de acordo com a diretora técnica do hospital, a filha de Janeuza está internada no Himaba há dois dias e tem recebido acompanhamento médico.

"Ela está internada aqui há dois dias fazendo uso de antibiótico, e vai ser reavaliada pelo otorrino. O remédio já começou a fazer efeito e ela está em constante reavaliação. Amanhecemos o dia com o pronto-socorro superlotado, mas crianças já foram realocadas. O pior seria fechar a porta e desassistir o paciente. Muitas vezes vai demorar, mas se for uma urgência ele vai entrar pela porta da urgência e vai ser atendido", encerrou.

 

 

Ver comentários