Notícia

Empresário Dondoni se entrega à polícia

Ele estava foragido desde o dia 6 de novembro, quando foi condenado pelas mortes de três pessoas em um acidente de carro na BR 101

Dondoni no momento em que se entregou à polícia
Dondoni no momento em que se entregou à polícia
Foto: Gazeta Online

Wagner José Dondoni de Oliveira está preso. O empresário se apresentou à Polícia Civil nesta sexta-feira (30) na presença de um advogado. Ele foi condenado na madrugada do dia 6 a uma pena de 24 anos e 11 meses em regime fechado pela morte de uma família em um acidente de trânsito na BR 101, em Viana, ocorrido há dez anos. Desde então estava foragido

O mandado de prisão foi expedido no mesmo dia, mas desde então, as informações eram de que a Superintendência de Polícia Prisional (SPP) e os setores de inteligência das Polícia Civil e Militar realizavam diligências para localizá-lo. 

De acordo com a defesa do empresário, o advogado Rogério Pires Thomaz, Dondoni não tinha a intenção de fugir e que não se entregou à Justiça de imediato devido a problemas de saúde. "Agora é uma decisão que a gente tem que compreender. É uma pessoa que psicologicamente não estava bem, que também tinha alguns problemas de saúde, que preferiu cuidar. Agora que controlou esse problema psicológico e de saúde, ele espontaneamente resolveu se entregar", disse.

Por volta das 19 horas, Dondoni deu entrada na Penitenciária de Segurança Média I, em Viana, segundo a Secretaria de Estado da Justiça (Sejus).

A prisão de Dondoni foi decretada pelo juiz que presidiu o Tribunal do Júri, no Fórum de Viana, Romilton Alves Vieira Júnior. "Pelo exposto, decreto a prisão do acusado Wagner José Dondoni, ostentando natureza de execução provisória da pena de prisão em razão da condenação pelo Tribunal do Júri, determinando, assim, que o réu condenado, após ser devidamente preso, se recolha à prisão, onde deverá permanecer se pretender recorrer. O réu, após devidamente preso, deverá ser conduzido à Unidade Prisional competente a fim de cumprir a prisão decorrente da condenação pelo Tribunal do Júri, com os alertas às autoridades que deverão adotar todas as providências para a segurança do réu", diz a sentença do juiz Romilton Alves .

A CONDENAÇÃO

A condenação de Dondoni foi anunciada dez anos após a tragédia na BR 101, em Viana, que destruiu a família do cabeleireiro Ronaldo Andrade. Ele, que é o único sobrevivente do carro atingido pelo empresário, que perdeu a esposa Maria Sueli Costa Miranda, e os dois filhos, Rafael Scalfoni Andrade e Ronald Costa Andrade.

Dondoni não compareceu à audiência, que durou quase 15 horas no Fórum de Viana, e foi condenado pela maioria dos votos, mas pode recorrer da decisão. Ele responde pelos crimes de homicídio simples por ter causado a morte de Maria Sueli, e os filhos Rafael e Ronald, tentativa de homicídio, por Ronaldo Andrade, e uso de documentação falsa.

> 'Mãe de Dondoni teve piora na saúde após acidente', diz testemunha

O promotor do Ministério Público do Espírito (MPES) Fábio Langa Dias explicou que a condenação do juiz apontou dolo eventual, quando o acusado não tem a intenção de cometer o crime. “Foi muito argumentado aqui que ele não queria praticar o crime, mas o comportamento dele desde a saída de Guarapari, até o desfecho do acidente é um comportamento de assumir os riscos de morte”, disse.

Ver comentários