Notícia

Bombeiros capixabas que atuaram em Brumadinho são homenageados

Os militares e três cães ficaram duas semanas na cidade mineira e retornaram ao Espírito Santo na madrugada desta segunda-feira (11)

Bombeiros capixabas que atuaram em Brumadinho são homenageados
Bombeiros capixabas que atuaram em Brumadinho são homenageados
Foto: Caíque Verli

Os bombeiros capixabas que ajudaram nas buscas pelos corpos na tragédia em Brumadinho, Minas Gerais, voltaram para o Espírito Santo na madrugada desta segunda-feira (11).

Após duas semanas de trabalho intenso, os oito militarestrouxeram na bagagem histórias de luto e de tristeza da cidade abalada pelo rompimento da barragem da Vale, que provocou mais de 160 mortos e ainda deixa mais de 140 desaparecidos.

Os militares foram homenageados pelo governador Renato Casagrande e receberam um certificado de destaque institucional, como forma de reconhecimento pela atuação.

 

> Depois de Brumadinho, PM do ES tem reencontro emocionante com filho

> Buscas em Brumadinho ainda não têm data para acabar, diz bombeiros

> Cadela do Corpo de Bombeiros do ES encontra corpos em Brumadinho

Um desses militares, o Cabo Tibúrcio destacou o ambiente de destruição que viu quando chegou em Brumadinho.

"O que mais marcou foi o cenário, vendo as pessoas chorando, em busca de uma resposta. Muito difícil, somos treinados, já vimos muitas coisas ruins, mas cada história é uma história. Um ambiente de luto, de tristeza, um odor muito forte, no cenário, na lama onde estávamos trabalhando"

Junto aos militares capixabas, três cães farejadores da corporação do Espírito Santo tiveram um papel importante na operação em Minas Gerais, como destacou o capitão André Marinho. "No primeiro momento, nos auxiliando nas buscas e recuperação dos corpos na superfície que mesmo na superfície em meio lama se tornava difícil a visualização. Com o tempo, esses corpos foram recuperados e o cão ficou ainda mais importante nessa operação considerando que os corpos ficaram em pontos mais profundos, com até 15 metros de profundidade".

Nos próximos dias, os militares vão passar por consultas médicas e farão exames para descartar qualquer possibilidade de contaminação já que eles tiveram contato direto com a lama de rejeitos.

Com informações de Caíque Verli

Ver comentários