Notícia

Mulher joga pedras em carros e ônibus em avenida de Vitória; veja vídeo

O analista de sistemas Eduardo Portela seguia para o trabalho quando foi surpreendido por uma pedra atirada em seu carro, por uma mulher, no meio da rua

Mulher arremessa pedra em vidro de carro na manhã desta sexta-feira (26) em Vitória
Mulher arremessa pedra em vidro de carro na manhã desta sexta-feira (26) em Vitória
Foto: Eduardo Portela

Um grande susto logo na manhã desta sexta-feira (26). Foi assim que começou o dia do analista de sistemas, Eduardo Portela, quando ele seguia, por volta das 8h20, para mais um dia de trabalho. Enquanto ele atravessava o cruzamento das avenidas César Hilal e Leitão da Silva, em Vitória, foi surpreendido por uma pedrada no vidro da frente do seu carro.

Motorista é atingida na cabeça por barra de ferro em Vila Velha

O objeto foi jogado por uma mulher que estava no canteiro central. A câmera do carro do Eduardo filmou toda a ação e mostra que a mulher já havia tentado acertar um ônibus, segundos antes. O carro do analista de sistemas foi atingido na terceira tentativa, no vidro da frente.

"Foi um susto enorme. Eu estava no semáforo quando vi essa mulher, que parece ser moradora de rua, arremessando uma pedra no ônibus. Na hora eu pensei que ela havia dado sinal, o motorista não havia parado e ela tinha ficado nervosa e por isso arremessou a pedra. Mas quando o semáforo abriu eu segui meu caminho e vi ela arremessando outra pedra. Aí já não dava mais para eu dar ré. Tentei acelerar e ela acertou meu carro. Na hora me veio a imagem da empresária que foi assassinada pelo morador de rua que arremessou o vergalhão", conta Eduardo.

A pedra chegou a arranhar o vidro, mas não o quebrou, o que acabou evitando que Eduardo sofresse algum ferimento. 

> Morador de rua que matou empresária com vergalhão vai a júri popular

"Quando vi que o vidro não tinha quebrado, parei o carro logo à frente e desci. Um rapaz que estava passando na rua tentou conter a mulher, que estava bem descontrolada. Tinha um guarda municipal que logo chegou perto da gente e eu gritei para que ele a algemasse, mas ele me disse que não poderia algemá-la e que não poderia fazer nada. Disse que era para eu agradecer por estar vivo. Infelizmente é uma tragédia anunciada e ninguém faz nada para que isso não aconteça. Eu que vou ter que arcar com o prejuízo financeiro e poderia até ter perdido minha vida por conta disso", lamenta. 

A Guarda Municipal de Vitória enviou, às 18h43 desta sexta-feira (26), a seguinte nota sobre o ocorrido. 

"A Secretaria de Segurança Urbana de Vitória informa que a viatura que estava próximo ao local era do Grupamento de Trânsito, que atua desarmado. Em questões relacionadas à segurança, os guardas de trânsito devem sempre solicitar o apoio da Guarda Comunitária, que anda armada, ou da própria Polícia Militar. No caso que aconteceu nesta manhã, o correto seria o agredido/vítima ter aguardado no local e demonstrado interesse em seguir até a delegacia para registrar a ocorrência."

Ver comentários