Notícia

Professor do ES se manifesta após ataques racistas na web

"Os ataques revelam aspectos do racismo presente em nossa sociedade de tradição escravocrata, eurocêntrica e colonial", destacou Gustavo Forde

Foto: Edson Chagas | GZ | Arquivo

O professor doutor em Educação Gustavo Forde, vítima de ataques racistas na internet após conceder entrevista ao portal Gazeta Online e ao jornal A Gazeta, disse que as ofensas contra ele refletem o conteúdo discutido na entrevista e o tema pesquisado no livro que ele lançou em março deste ano: "Vozes Negras na história da educação: racismo, educação e movimento negro no Espírito Santo (1978-2002)".

"Após o susto, digo que estou bem! Os ataques revelam aspectos do racismo presente em nossa sociedade de tradição escravocrata, eurocêntrica e colonial. Ilustra, sobretudo, questões abordadas na entrevista", destacou Forde, em publicação em sua rede social.

Gustavo é professor e pró-reitor de Assuntos Estudantis e Cidadania da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). O professor revelou que ainda não definiu quais medidas pretende adotar após a publicação das ofensas. Na avaliação dele, os comentários preconceituosos atacam também a universidade, os movimentos sociais e a população negra de forma geral.

O fato em tela não trata apenas de um ataque individual à minha pessoa. Trata, também, de ataque ao lugar de produção do pensamento, aos diálogos estabelecidos e aos sujeitos referenciados na entrevista. Os comentários também atacam o lugar de produção da pesquisa, os diálogos estabelecidos na pesquisa e à identidade política dos sujeitos da pesquisa

O professor agradeceu as manifestações de apoio à militância que ele exerce no movimento negro e também ao trabalho no campo das pesquisas étnico-raciais e estudos afro-brasileiros. "Trata de um ataque local com fortes similaridades, tanto na forma, quanto no conteúdo, com um conjunto de ataques que vem sendo realizados em âmbito nacional! Sigamos juntos e mais fortalecidos do que antes", afirma.

Ver comentários