Notícia

Inadimplência dispara no ensino particular

cerca de 10,4% dos alunos estão com atrasos de mais de 90 dias na mensalidade, um patamar que não era registrado desde 2008

Antônio Eugênio diz que, diante da crise, escolas estão se reorganizando
Antônio Eugênio diz que, diante da crise, escolas estão se reorganizando
Foto: Divulgação

Além da redução de alunos, outra dificuldade que as escolas particulares têm enfrentado é a inadimplência dos estudantes que permanecem no setor privado.

Segundo um levantamento do Sindicato das Empresas Particulares de Ensino do Espírito Santo (Sinepe), cerca de 10,4% dos alunos estão com atrasos de mais de 90 dias na mensalidade, um patamar que não era registrado desde 2008. A taxa no restante do país é de 6,2%. O presidente do Sindicato das Empresas Particulares de Ensino do Estado (Sinepe), Antônio Eugênio Cunha, revela que as escolas estão tendo que se reorganizar para manter as contas, reduzindo gastos e fazendo demissões.

“O brasileiro perdeu o poder aquisitivo e já não vêm dando conta de arcar com o investimento em Educação. Há a inflação maior, aumento do desemprego e queda na remuneração dos trabalhadores. O orçamento familiar é outro. O aumento na inadimplência começa a partir de 2014, quando a taxa era de 6,4%. Em dois anos, este índice cresceu 30%”, afirma.

No ensino superior, um outro fator tem elevado ainda mais a recessão no setor: os cortes no Financiamento Estudantil (Fies) a partir de 2015 também contribuíram para a queda no número de matrículas e o aumento na taxa de evasão escolar. Neste contexto, as escolas tentam incentivar a permanência dos alunos, negociando as mensalidades atrasadas ou dando descontos nas parcelas.

Na Educação estadual, o número de alunos vindos de escolas privadas ou federais aumentou 52% entre 2015 e 2016. No ano passado, foram 3 mil, enquanto que, neste ano, se matricularam 4.563 estudantes em escolas públicas estaduais.

Já nas creches e escolas municipais da Grande Vitória, foram 168.928 novas matrículas em 2016, entre alunos que se transferiram das redes de outros municípios e de escolas particulares. Na comparação com o ano anterior, este índice cresceu 5%.

Ver comentários