Notícia

Rede social denuncia funcionário mentiroso

Trabalhador flagrado pode até ser demitido por justa causa

Foto: Ilustração/A Gazeta

Problemas de saúde, exames médicos e até a perda de alguém da família levam profissionais a se ausentarem do trabalho. O problema é quando fotos nas redes sociais revelam que a justificativa da falta era, na verdade, um disfarce para ir a praia ou festas.

Há quem apresente até atestado médico falso para trocar o trabalho por diversão. Mas especialistas alertam que mentir para conseguir uma folga provoca quebra de confiança entre empresa e empregado e pode motivar até uma demissão por justa causa.

Foi o que aconteceu com a funcionária de um restaurante. Ela estava de atestado médico por conta de uma tendinite no pulso, mas postou fotos comemorando a aquisição da carteira de habilitação para moto. O advogado trabalhista Victor Passos Costa explica que, se a moça estava de atestado médico devido a uma lesão no pulso, é incoerente realizar uma atividade, como andar de moto, que exige esforço da região lesionada.

“A pessoa não precisa ficar de molho em casa. O que não pode é fazer coisas que exigem o mesmo estímulo que faria no trabalho. Isso resulta em quebra de confiança e pode motivar demissão por justa causa”, explica.

A especialista em carreira, Gisélia Curry, alerta que as redes sociais podem construir e destruir a imagem de uma pessoa, já que virou um instrumento de investigação. E isso vale tanto na hora de contratar quanto na hora de demitir.

“As redes sociais estão acabando com a carreira de muitos profissionais porque está faltando bom senso na hora de postar mensagens e fotos. A internet projeta o cotidiano das pessoas, não havendo separação entre o real e o virtual. Há um excesso de postagens, que estão gerando consequências na vida profissional”, ressalta.

A psicóloga Maria Rita Sales Régis destaca que, no ambiente organizacional, é preciso gerenciar fenômenos sociais.

“ As redes sociais mostram aos gestores os verdadeiros motivos das ausências, dos atestados médicos e da falta de disposição do colaborador. Alguns colaboradores que se dispõem a esse papel, criam histórias de doença, de viagem por óbito de algum familiar, de mal-estar, não atentando para preservar suas aventuras que divergem das justificativas apresentadas perante a empresa. Ou seja, eles próprios se denunciam”, aponta.

 

 

Maria Rita acrescenta que para a empresa é desgastante lidar com essa situação, por vários aspectos. “Pode ser feita advertência, suspensão e até demissão, desde que bem conduzidos. Do contrário, a empresa será sempre a maior penalizada, pois a ausência do colaborador no seu posto de trabalho por motivo banal causa sobrecarga para os colegas da equipe, gera estresse e insatisfação”, aponta.

CONHEÇA ALGUNS CASOS

Praia e cerveja

Uma moça que atuava em uma loja de celular mandou uma foto para o chefe do rosto abatido e uma mensagem avisando que estava aguardando atendimento no posto de saúde. Em seguida, encaminhou um atestado médico. O filho do dono da loja, que tinha amizade com a funcionária, enviou mensagem pelo WhatsApp para perguntar se ela estava bem e se havia melhorado. Não obtendo resposta, entrou no Facebook de um amigo em comum e viu fotos dele com a jovem bem feliz na praia, ao lado de um isopor com cerveja. A jovem foi dispensada 30 dias após o ocorrido.

Parada gay

Um funcionário que tinha um cargo de confiança disse que estava com febre alta em uma sexta-feira e que não poderia ir trabalhar. Mas um amigo publicou uma foto dos dois na Parada Gay, em São Paulo. A mentira resultou na demissão do rapaz.

Farra com amigos

Uma jovem pediu para faltar ao trabalho numa segunda-feira dizendo que precisava vistar os pais em Minas Gerais. Na verdade, a moça foi para Búzios, no Rio de Janeiro, com uma turma de amigos. Ela não chegou a ser demitida, mas levou bronca dos supervisores.

Corrida

Um jovem alegou não poder trabalhar na escala durante um final de semana porque precisaria cuidar do filho pequeno. Mas no domingo, ele postou uma foto nas redes sociais participando de uma corrida. Não houve demissão nesse caso, mas o funcionário foi advertido.

Tendinite

Uma moça que trabalhava preparando saladas em um restaurante pediu afastamento das suas atividades porque apresentava tendinite em um dos punhos. Durante o período do atestado, ela publicou no Facebook uma foto em que comemorava ter conseguido tirar a carteira de habilitação para moto. A moça foi demitida por justa causa, pois não poderia realizar o teste estando com problemas no punho. Ela até tentou reverter a demissão, mas a Justiça, que manteve a punição.

Sem noção

Um rapaz faltou um dia de trabalho alegando que estava passando mal. Mas no mesmo dia mandou para o grupo de colegas da empresa uma foto na praia. O funcionário foi demitido, após acordo.

Fonte: Especialistas ouvidos pela reportagem

 

 

Ver comentários