Notícia

Contrato de concessão da ES Gás sai em dois meses

Nova empresa começou a operar nesta segunda-feira com nomeação de Heber Resende para presidência da companhia

Central de tratamento de gás, Cacimbas
Central de tratamento de gás, Cacimbas
Foto: Petrobras/divulgação

O contrato de 25 anos de concessão que o governo do Estado vai assinar com a ES Gás, nova companhia de distribuição do Espírito Santo, deverá ficar pronto em dois meses. A proposta, de acordo com o governador Renato Casagrande, é ter um modelo já adequado ao Novo Mercado de Gás, programa do governo federal que será anunciado nesta terça-feira e visa à quebra do monopólio da Petrobras.

“É muita coincidência a ES Gás ser criada já atendendo ao novo marco regulatório enquanto vários outros Estados estão tentando reverter os contratos”, comenta o governador.

>Mudanças no setor de gás natural vão estimular investimentos no ES

Cerimônia de posse da diretoria da ES Gás no Palácio Anchieta
Cerimônia de posse da diretoria da ES Gás no Palácio Anchieta
Foto: Helio Filho

Nesta segunda-feira, o ex-secretário de Estado de Desenvolvimento Heber Resende tomou posse como presidente da ES Gás, durante solenidade no Palácio Anchieta.

A empresa, que oficialmente começou a operar nesta segunda-feira, é uma sociedade mista em que o governo estadual detém 51% de participação e a BR Distribuidora ficou com 49% das ações ordinárias e 60,34% do capital social.

O início das atividades, com a assinatura do acordo de acionistas, encerra a briga judicial travada entre a BR e o Poder Executivo.

A subsidiária da Petrobras indicou Frederico Bicharra Henriques para ser o diretor de operação da companhia. O diretor administrativo será ainda escolhido pelo Estado com a BR.

Para o Conselho de Administração, o governo escolheu o secretário de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia, Márcio Félix; o auditor fiscal e assessor especial do Núcleo de Petróleo e Gás Natural, Luiz Cláudio Nogueira de Souza; o presidente do Fórum Capixaba de Petróleo e Gás, Durval Vieira; além do economista Guilherme Dias.

>Queda no preço do gás deve destravar R$ 38 bilhões em projetos no ES

Vão integrar ainda o grupo Paulo Jorge Esteves, engenheiro químico e gerente executivo de Mercados Especiais da BR; Edson Chil Nobre, engenheiro químico, aposentado após 35 anos no Sistema Petrobras; e Klaus Nolte, administrador e gerente executivo de Marketing e Desempenho de Mercado Corporativo da BR.

Já o Conselho Fiscal da ES Gás tem como membros o ex-senador Ricardo Ferraço e o procurador do Estado Luiz Miguel Pavan.

A transição da concessão da BR para ES Gás deve durar até dezembro, segundo o governador. A partir de janeiro, a estatal capixaba conduzirá o serviço de distribuição.

Concessão moderna

O Espírito Santo prepara uma série de mudanças para abrir o mercado de gás e colocá-lo em vantagem competitiva em relação a outras federações. A ES Gás é quem vai contribuir para que o Estado saia na frente em pontos regulatórios que serão imprescindíveis para a queda no preço do combustível e para destravar US$ 10 bilhões em investimentos, aproximadamente R$ 38 bilhões como antecipou o Gazeta Online.

A empresa terá um contrato de concessão novo baseado nas regras traçadas pelo governo federal para a quebra do monopólio do setor. 

A ES Gás somente assumirá os serviços após a assinatura do novo contrato de concessão. Enquanto isso, a Petrobras Distribuidora continuará operando a distribuição de gás natural canalizado. A integralização do capital pelo governo do estado e pela BR ocorrerá em até 12 meses.

Um dos pontos mais importantes da regulamentação – em fase de estudo – será a previsão do consumidor livre, personalidade que utiliza grande volume de gás em seu parque industrial e que terá a liberdade de construir um gasoduto até a rede da ES Gás.

Outro detalhe importante é que o usuário desse combustível poderá negociar a aquisição do insumo diretamente com o produtor, algo que é impedido pelo sistema em vigor.

A regulação estadual também vai abrir a possibilidade da estatal capixaba comprar o combustível de qualquer grupo que extraia o gás natural no mar brasileiro e, inclusive, importar o produto de outros países em busca do menor preço oferecido no comércio internacional, segundo o procurador-geral do Estado, Rodrigo de Paula.

Hoje, o serviço de entrega do gás nas plantas industriais e também nas áreas residenciais é comandado pela BR Distribuidora - sócia do governo do Estado na ES Gás - que compra a molécula da Petrobras.

Ver comentários