Notícia

Sindicato dos Metalúrgicos vende sede em São Paulo por R$ 140 milhões

Também serão vendidos a subsede em Mogi das Cruzes, um clube de campo, uma colônia de férias e outros imóveis

Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes
Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes
Foto: Reprodução | Google Maps

Com dívida de R$ 20 milhões, o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes vendeu a sede, no bairro da Liberdade, por R$ 140 milhões. Já anunciada à diretoria, após prévia autorização da assembleia dos trabalhadores, a venda será concluída nesta segunda-feira (30).

Em reunião, a diretoria do sindicato foi informada que toda a receita obtida como fruto da negociação coletiva foi consumida até setembro. O custo de manutenção do sindicato é de R$ 3,5 milhões mensais.

Além da sede, o sindicato - que é filiado à Força Sindical - vai vender a subsede em Mogi das Cruzes, um clube de campo, uma colônia de férias e outros imóveis. A sede da Força Sindical foi a leilão este ano, mas não foi arrematada.

> Produção cai e indústria do ES tem no ano o pior desempenho do país

Com 14 andares, o imóvel tem heliponto, auditório com capacidade para 900 pessoas e três andares de subsolo capazes de abrigar até 250 carros. Símbolo de tempos de bonança para o sindicalismo, o edifício tem duas torres de elevadores, somando nove compartimentos e espaço para exposições.

A diretoria foi informada que a compradora é uma empresa do setor de logística. A Força Sindical não é a única a enfrentar severa crise financeira.

O fim do imposto sindical obrigatório, associado ao alto índice de desemprego, derrubou a receita de todas as centrais. Maior delas, a CUT (Central Única de Trabalhadores) chegou a negociar a venda da sede, no Brás, além de elaborar um plano de redução de secretarias e corte de pessoal.

> Indústria do ES sofre com desaquecimento da economia internacional

Ver comentários