Notícia

Saiba como se defender de golpes na hora de comprar um imóvel

Confira o que observar na documentação e os principais cuidados para não ter prejuízo

Antes de assinar o contrato, vá ao Cartório de Registro de Imóveis e solicite a certidão de matrícula do bem
Antes de assinar o contrato, vá ao Cartório de Registro de Imóveis e solicite a certidão de matrícula do bem
Foto: Freepik

Para a maioria dos brasileiros o imóvel é a grande compra de sua vida. O apê novo, a casa própria ou o terreno para construí-la são resultados de um grande investimento financeiro e emocional. Por isso, neste momento, é necessário redobrar a atenção para não ser vítima de um golpe.

O diretor do Sindicato dos Notários e Registradores do Espírito Santo (Sinoreg), Rodrigo Reais, informa que a aplicação de golpes durante a venda de um imóvel está cada vez mais comum. “Trata-se de um bem de valor elevado com um processo de compra e venda com trâmites desconhecidos por muitos compradores. Pessoas de má-fé se aproveitam disso”, alerta.

Leia também

O advogado especialista em direito imobiliário Diovanno Rosetti explica que a tentativa de trapaça acontece em todos os tipos de imóveis, mas é mais comum em terrenos. “Em casas e apartamentos é mais fácil descobrir uma fraude porque há vizinhos em constante contato com os moradores”.

OS GOLPES

O tipo de golpe mais comum é quando alguém tenta vender um imóvel que não lhe pertence. Em alguns casos, o criminoso chega a apresentar documentos falsos, como contrato de compra e venda ou até mesmo uma escritura em seu nome. E há proprietários reais que vendem um imóvel com dívidas ou em disputa judicial sem avisar ao comprador.

“A saída para evitar a maior parte dos golpes é ir ao Cartório de Registro de Imóveis da região em que está localizado e solicitar a certidão da matrícula do bem. Neste documento está toda a história do imóvel, incluindo o nome dos proprietários e se há dívidas, penhora ou disputa judicial”, diz Rodrigo.

A partir de então, é necessário comparar os dados da matrícula com as informações dadas pelo vendedor. “Também é interessante pesquisar se há dívidas de IPTU e cotas condominiais. Dependendo do valor, o imóvel pode ser penhorado por conta dessas pendências. Outro cuidado importante, principalmente se houver suspeitas, é conversar com os vizinhos sobre a propriedade. Na maioria dos casos o golpe já foi aplicado em outras pessoas e os moradores da região sabem disso”, ressalta Diovano.

Se o imóvel nunca foi registrado, vale ficar atento, pode se tratar de um terreno irregular ou até mesmo de propriedade pública, as invasões.

ATÉ DETALHES DEVEM SER VERIFICADOS

Na hora de comprar um imóvel, vale ficar atento a cada detalhe da documentação. Se o vendedor não for o proprietário ou dividir o bem com outra pessoa, pode ser que ele apresente uma procuração.

“Procurações devem ser analisadas com cuidado. É necessário ir ao cartório em que foi registrada e verificar se é verdadeira e se não foi revogada. Caso contrário, o negócio pode ser anulado. No entanto, neste momento, o golpista já terá fugido como valor de entrada”, diz Diovano.

Além da documentação falsa e da venda de imóveis com restrições, é comum a tentativa de vender imóveis com localização errada e até mesmo inexistente. Por isso, os especialistas afirmam que é imprescindível visitar o local e conferir o endereço na matrícula do bem. “É importante desconfiar sempre de preços muito abaixo do mercado e de vendedores com pressa em fechar negócio”, afirma o presidente do Sinoreg.

Ver comentários