Notícia

Milhares de estudantes são retirados de escolas na Austrália após ameaças de bomba

Situações semelhantes foram registradas na França, Reino Unido e Itália

SYDNEY - Uma série de ameaças de bomba levou escolas de dois estados australianos a retirarem milhares de estudantes das salas de aula nesta sexta-feira, nos estados de New South Wales (NSW), onde fica Sydney, e de Victoria. Segundo a polícia, telefonemas parecidos foram recebidos pela manhã e, após inspeções nos locais, foi determinado que foram falsas. O caso ocorre na mesma semana em que situações semelhantes foram registradas na França, Reino Unido e Itália.

"A Polícia de Victoria pode confirmar que está encarando os telefonemas com ameaças recebidos por algumas escolas do estado como uma farsa", declarou a entidade em um comunicado. "Estamos cientes de que escolas em alguns outros estados e países receberam telefonemas similares nas últimas 24 horas".

As autoridades australianas não informaram quantas escolas foram afetas, mas segundo a imprensa local, ao menos 15 instituições receberam as ameaças. Uma investigação foi aberta e a polícia tenta identificar os autores dos telefonemas, alertando a população que esse tipo de ameaça representa uma ofensa criminal grave. No entanto, eles descartam qualquer relação com terrorismo. Uma porta-voz da Polícia Federal Australiana não comentou os incidentes.

Em Victoria, a escola primária Sale foi fechada logo após receber a ligação anônima e transferiu os alunos para a unidade de Ensino Médio até que fossem levados para casa.

"Como todas as escolas, temos um plano de emergências para situações como essa e praticamos durante o ano", disse o diretor Brad Evans em um comunicado para os pais.

A escola de Cowes na região também foi ameaçada. De acordo com o vice-diretor Rod McKenzie, uma recepcionista recebeu uma mensagem telefônica computadorizada, como se fosse um robô, informando que havia uma bomba em uma mochila. Depois de retirados das salas de aulas, vários alunos postaram fotos nas redes sociais.

"Estamos bem", disse um dos estudantes, enquanto outro disse estar com medo.
Escolas na Europa, Estados Unidos, Japão e África do Sul também receberam telefonemas semelhantes. Segundo as polícias locais, 18 escolas britânicas foram ameaçadas na quinta-feira, situação que se repetiu na França, Itália e Holanda. Mas ainda não se sabe se esse é um movimento coordenado.

No estado americano de Massachusetts, as ameaças tiveram outros alvos, como estações policiais, hospitais e supermercados. As autoridades relatam que os telefonemas eram automáticos. O mesmo ocorreu no Japão e na África do Sul. O grupo de hacker "Evacuation Squad" (Pelotão de Evacuação", na tradução) reivindicou a autoria das chamadas, mas disse que não tinha relação com os casos na Austrália.

"Nós tivemos como alvo apenas escolas na Europa, Canadá, EUA, África do Sul e Japão - disse um hacjer que usou o nome de Viktor Olyavich.
Dois dias antes, seis escolas de Paris e 14 no Reino Unido foram esvaziadas após falsas ameaças de bomba.

Ver comentários