Notícia

Vídeo mostra últimos momentos da médica Milena antes de ser baleada

A médica conversava com uma amiga, quando os intermediários do crime mostravam ao executor Dionathas quem era o alvo do tiro

Um vídeo divulgado pela Polícia Civil na tarde desta quarta-feira (18) mostra as últimas imagens da médica Milena antes de ser baleada na cabeça dentro do estacionamento do Hospital das Clínicas, em Vitória, no dia 14 de setembro.

Ao divulgar a gravação, o titular da Delegacia Especializada de Homicídio Contra a Mulher, Janderson Lube, explica que as imagens mostram Milena e uma amiga, na saída do plantão, e o carro dos intermediários do crime —  Valcir da Silva, 49 anos, e Hermenegildo Palauro Filho, de 52 anos, conhecido como Judinho — à espreita. Segundo Lube, naquele momento a dupla mostrava ao executor Dionathas quem era a médica, o alvo do tiro. Enquanto Milena e a amiga conversavam, o carro dos intermediários estava estacionado. Após mostrarem a vítima a Dionathas, a dupla deixa o hospital. Minutos depois a médica era baleada.

VEJA VÍDEO

A polícia concluiu o inquérito e indiciou os seis envolvidos no crime. Segundo as investigações, o ex-marido de Milena, Hilário Frasson, e o sogro, Esperidião Carlos Frasson, foram os mandantes do assassinato.

A Polícia  Civil apurou que pai e filho utilizaram dois intermediários, Valcir da Silva Dias e Hermenegildo Palaoro Filho, amigos da família há mais de 30 anos, para ajudar no assassinato e contratar um matador. Dionathas, que atirou contra Milena, estava desempregado quando recebeu a proposta de R$ 2 mil para matar a médica. Ele, por sua vez, encomendou ao cunhado, Bruno Rodrigues Broetto, o roubo de uma moto para usar no dia do crime.

O titular da Delegacia Especializada de Homicídio Contra a Mulher, Janderson Lube, informou durante entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira (18) que o sigilo sobre o caso foi mantido porque, como Hilário é policial civil, ele entende o funcionamento das investigações.

Leia também

“Conduzimos a investigação de forma que produzimos o melhor material probatório. Desde o primeiro momento tomamos as medidas cabíveis. Os primeiros depoimentos que foram colhidos nas primeiras horas depois do crime foram bastante relevantes”, explicou.

Lube ainda informou que nas primeiras 48 horas de investigação, a polícia já tinha informações dos participantes no crime e, com isso, foi expedido o mandado de prisão. “Formamos um arcabouço de provas que nos permitiram fazer um indiciamento de cada um dos envolvidos”.

Hilário e Esperidião, apontados como mandantes do crime, foram indiciados por homicídio qualificado, emboscada, furto, além de feminicídio. Já os demais envolvidos, Bruno, Dionathas, Hermenegildo e Valcir foram indiciados por homicídio qualificado e emboscada, além do crime de furto porque um celular foi roubado no dia do crime para simular um assalto e disfarçar a execução.

“SENTIMENTO DE ELIMINAÇÃO”

Pouco antes de ir no Departamento Médico Legal (DML) de Vitória liberar o corpo de Milena, Hilário fez acesso a diversos conteúdos pornográficos na internet. Segundo Lube, essa atitude comprovou que o ex-marido não tinha sentimento de pesar pela perda da médica. “Diante de todas as circunstâncias, ele não sentia sentimento de pesar, mas havia um sentimento de eliminação”, explicou.

Ver comentários