Notícia

Jovem de 17 anos confessa morte do primo por ele ser homossexual

Segundo o delegado Fabrício Lucindo, o suspeito, de 17 anos, confessou o crime

Adolescente confessou o crime
Adolescente confessou o crime
Foto: Divulgação | Polícia Civil

O homem encontrado morto na mata de uma fazenda na região rural do distrito de São Rafael, interior de Sooretama, Norte do Estado, no último sábado (11), foi vítima de homofobia. A informação é do titular da Polícia Civil do município, delegado Fabrício Lucindo. O suspeito do crime, um adolescente de 17 anos, primo da vítima, foi apreendido.

"Na delegacia, em interrogatório o adolescente confessou o crime e informou que executou a vítima por conta de ser homossexual e, por seu comportamento, estava constrangendo o autor do fato análogo ao crime de homicídio, um caso claro de homofobia", informou Lucindo.

A Polícia Civil chegou até o suspeito após receber pistas de pessoas da comunidade. "Os policiais diligenciaram na região e, após algumas entrevistas com pessoas do local, conseguiram apreender uma arma de pressão modificada para arma de fogo calibre 22, suspeita de ter sido usada no crime. Diante das suspeitas, os policiais civis conduziram para a delegacia o adolescente", explicou Lucindo.

O crime

O suspeito, de acordo com o delegado, tinha conhecimento de que a vítima, Ronilso dos Santos Câmara, 36 anos, conhecido como Alzirene ou Ziene, passaria pelo local e o aguardou escondido em uma mata.

"Ao ver a vítima passar pelo local, o adolescente sorrateiramente aproximou-se por trás, armado com a arma apreendida pela Polícia Civil, e efetuou um disparo na região da nuca da vítima, sem dar chance de defesa. Após o cometimento do crime, arrastou o corpo para dentro da mata e o abandonou no local onde foi encontrado".

O adolescente foi encaminhado para a unidade de internação do Instituto de Atendimento Socioeducativo do Espírito Santos (Iases) Norte.

OUTRO CASO DE HOMOFOBIA

Esse é o segundo caso de homofobia registrado nos últimos meses na região. Na noite de 21 de setembro, Meiryhellen Bandeira, 28 anos, e Emilly Martins Pereira, 21, foram mortas com disparo nas costas no bairro Novo Horizonte, em Linhares, Norte do Estado.

O acusado, Roberto Luis Pavani, teve a prisão preventiva decretada neste mês pela Primeira Vara Criminal de Linhares. Em sua decisão, o juiz André Bijos Dadalto disse que trata-se de um crime gravíssimo e de extrema violência. Cita também que os elementos coletados "dão conta de que a motivação do crime foi em decorrência de preconceito em virtude do relacionamento homoafetivo entre as vítimas".

O acusado está preso na Penitenciária de Segurança Média I, em Viana.

Foto: Montagem | Gazeta Online

Ver comentários