Notícia

Após proibição a Lula, PT admite participação de Haddad em debates

Tribunal Regional Federal da 4ª Região não autorizou participação do ex-presidente

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad com Lula
O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad com Lula
Foto: Reprodução

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, admitiu nesta sexta-feira (10) que o candidato a vice-presidente Fernando Haddad poderá participar dos debates o PT não consiga uma autorização para o ex-presidente Lula ir aos encontros com os outros candidatos.

Em entrevista concedida na saída da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde ela e o ex-prefeito de São Paulo visitaram o petista, a senadora reafirmou que Haddad será o porta-voz do presidente fora da cadeia, "sua voz com a sociedade". "Vai fazer os debates, vai fazer as sabatinas", disse ela.

Leia também

Segundo ela, o partido tomará todas as medidas para que Lula possa participar dos encontros com outros candidatos na televisão. No entanto, se o ex-presidente não for autorizado, segundo Gleisi, o PT tentará a participação de Haddad.

Nesta quinta-feira, a 4ª Seção do Tribunal Regional Federal da 4ª Região confirmou a decisão da juíza de primeira instância que cuida da execução penal de Lula e proibiu sua participação em debates.

"Nós não queremos e não podemos ficar fora dos debates em respeito ao povo brasileiro. Quem assistiu ao debate da Bandeirantes ontem viu isso, faltou a maior parte do Brasil ali representado", afirmou.

Gleisi disse que o ex-presidente não assistiu todo o debate, mas que considerou que houve ausência de propostas. Candidato a vice-presidente, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad disse que Lula quer participar dos debates apesar de sua "condição".

"Ele quer fazer essa disputa face a face, olhando nos olhos do eleitor e também no de seus adversários. Ele nos pediu para nos reiterar que ele tem o desejo de se expor, ele tem o desejo de participar dos debates, ele tem o desejo de enfrentar qualquer questionamento, de ordem política, de ordem moral", disse Haddad.

Ver comentários