Notícia

Diretora de hospital diz que Bolsonaro perdeu cerca de 40% do sangue

Candidato recebeu quatro bolsas de transfusão após levar facada em ato de campanha

Jair Bolsonaro levou uma facada em ato de campanha em Minas Gerais
Jair Bolsonaro levou uma facada em ato de campanha em Minas Gerais
Foto: Reprodução

A diretora médica e técnica da Santa Casa de Juiz de Fora, Eunice Dantas, informou que Jair Bolsonaro perdeu em torno de 40% do sangue do corpo em função da facada que levou durante ato de campanha na cidade de Minas Gerais. A perfuração atingiu uma veia abdominal. O candidato do PSL à Presidência, que foi transferido para hospital de São Paulo nesta sexta-feira, precisou receber quatro bolsas de sangue em transfusão.

"Ele perdeu 40% do sangue do corpo, cerca de 2 a 2,5 litros. A pressão dele estava a oito por quatro quando eu vi e recebeu quatro bolsas de transfusão", explicou a médica.

Eunice Dantas contou ainda que policiais federais olharam os celulares de todas as pessoas que estavam no centro cirúrgico — médicos, anestesistas e técnicos — procurando o autor da foto de Bolsonaro no centro cirúrgico que vazou nas redes sociais. Os policiais, no entanto, não chegaram a identificar o autor.

Leia também

Presidente da Santa Casa de Misericórdia, Renato Loures lamentou o episódio e disse que a investigação está a cargo da PF.

"Não se pode permitir que seja vazada uma foto do centro cirúrgico", disse Loures.

Depois da cirurgia, segundo a diretora da Santa Casa, o político passou a noite sem sobressaltos. O parlamentar foi transferido para o hospital Albert Einstein, em São Paulo, por volta das 8h10 desta sexta-feira.

"Ele passou a noite muito tranquilo dentro do esperado em uma cirurgia desse porte e manteve-se hemodinamicamente estável. Houve a condição segura para essa transferência, ele está hemodinamicamente muito bem", explicou a médica.

Segundo Eunice Dantas, Bolsonaro participou pessoalmente do processo decisório sobre a escolha do hospital para o qual seria transferido, em discussão com os filhos.

Cinco médicos - dois do hospital Albert Einstein e três do Sírio-Libanês -, além da equipe da Santa Casa, acompanharam o candidato durante a madrugada.

Na manhã de hoje ele seguiu em uma UTI móvel particular até o aeroporto da Serrinha, em Juiz de Fora, de onde seguiu de jatinho para o hospital de São Paulo.

Ver comentários