Notícia

Polícia não apreendeu carro-bomba que participaria de atentado a Bolsonaro

Um veículo foi apreendido, mas ele fazia parte de uma tentativa de libertar traficante no Paraguai, sem qualquer relação com política

Tarja Passando a Limpo Eleições

O carro-bomba filmado em um vídeo que circula no WhatsApp e em redes sociais fazia parte de uma tentativa de libertar o traficante Marcelo Fernando Pinheiro Veiga, o Marcelo Piloto, no Paraguai – e, ao contrário do que afirmam mensagens e correntes de texto, não tem qualquer relação com um suposto atentado ao candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL).

As informações foram checadas pelo projeto Comprova. A verificação foi desenvolvida por jornalistas de Folha de S. Paulo e Estadão. Em seguida, passou pelo crosscheck de O Povo, UOL, revista piauí e Gazeta Online.

É falso que polícia apreendeu carro-bomba que participaria de atentado a Bolsonaro
É falso que polícia apreendeu carro-bomba que participaria de atentado a Bolsonaro
Foto: Reprodução

O veículo foi interceptado em uma ação conjunta da polícia paraguaia e da Interpol na quarta-feira, 24 de outubro.

O boato que viralizou diz que dois carros-bomba foram apreendidos tentando atravessar a fronteira entre Brasil e Paraguai – e que, posteriormente, seriam usados numa tentativa de atentado.

No entanto, os veículos foram encontrados em uma casa em Presidente Franco, no Paraguai, a cerca de 10 km da fronteira entre os países. O destino seria a capital paraguaia Assunção, onde o traficante brasileiro está preso. Foi a segunda vez que criminosos tentaram libertar o chefe da facção Comando Vermelho.

Diversos veículos de imprensa noticiaram a ação policial que apreendeu os carros com explosivos – incluindo G1, R7 e Extra. Para encontrar as reportagens, bastou procurar no Google as palavras-chave "carro bomba" e "Paraguai".

Apesar de os carros-bomba do vídeo não terem relação com Bolsonaro, dados da inteligência do governo federal apurados pelo Estadão confirmam a existência de ameaças contra o candidato. As informações foram passadas há mais de uma semana pelo presidenciável, que teve a segurança reforçada.

Uma das versões da corrente de texto diz que o serviço de inteligência dos EUA teria repassado informações sobre um atentado contra o presidenciável do PSL.

O vídeo com a mensagem enganosa foi enviado por leitores ao WhatsApp do Comprova (11) 97795-0022 e do Estadão (11) 99263-7900. No Twitter, uma versão do boato teve 2,9 mil curtidas e 1,8 mil retweets.

Ver comentários