Notícia

Professor usa objetos inusitados para tirar foto com alunos em Venda Nova

Técnica permite utilizar cascas de ovo, nozes, caixas de sapato e sumos de plantas para revelar fotos

Foto: Redes Sociais

O que você faria com latas de leite em pó, cascas de coco, ovos, nozes, caixas de sapato e de fósforo após o uso? Jogaria no lixo? Pois um professor de artes de Venda Nova do Imigrante, na Região Serrana do Estado, resolveu utilizar esses objetos para fazer fotografias. Ele desenvolveu um projeto com os alunos da Escola Escola Municipal de Ensino Fundamental Atílio Pizzol e ainda reproduz a técnica em seu ateliê.

A técnica utilizada por Romelho Contreiro, de 35 anos, chama-se Pinhole. Ele sempre foi apaixonado por fotografia e contou que, quando era criança, fazia desenhos e chegou a comprar uma câmera fotográfica analógica, mas aperfeiçoou as técnicas na faculdade.

“Sempre fui apaixonado por artes visuais e por fotografia, quando era pequeno tinha uma câmera analógica e fotografava. A pesquisa começou quando entrei na universidade, em 2008, e desde então venho aperfeiçoando as técnicas da fotografia”, contou.

Contreiro ainda disse que resolveu utilizar a técnica (em latas de leite) com os alunos do 4º ano, pois estava trabalhando fotografia. “A ideia era mostrar como funciona uma máquina fotográfica e surgiu a ideia de trabalhar essa linguagem que chama Pinhole. Na faculdade eles só comentaram sobre esse tipo de fotografia artesanal, comecei a pesquisar e surgiram varias ideias”, disse.

O professor ainda disse que várias disciplinas foram envolvidas no desenvolvimento desse projeto. “ O princípio do Pinhole é o mesmo da câmara escura, então envolvemos a física, a química, a biologia, sociologia e arquitetura, foi um projeto interdisciplinar”, explicou.

O professor explica o que é Pinhole. “É o nome informal dado a uma câmera fotográfica que utiliza somente um furinho como “lente”, na verdade não é lente. Para ser lente teria que ter um vidro, plástico ou algo do tipo. É só um furo, bem pequeno, que deixa a luz entrar”. A técnica pode ser usada em latas de leite em pó, cascas de coco, ovos, nozes, caixas de sapato e de fósforo, etc.

Os alunos ficaram encantados com o resultado do trabalho. “Eles ficaram fascinados com a nova possibilidade de tirar fotografia com uma lata. Montamos laboratório para revelar as imagens e quando eles viram o resultado, alguns começaram a gritar”.

Outras técnicas

Além das latas de leite, ele utiliza a casca de coco, nozes, caixas de fósforo e outros materiais para retirar as fotografias. O professor ainda revela fotos em folhas e utiliza sumo de plantas com o mesmo objetivo.

Na técnica chamada antotipia, a impressão fotográfica é feita com pigmentos contidos nas fotossensibilidade dos pigmentos contidos nas plantas, no sumo. A antotipia é uma técnica artesanal de impressão fotográfica que utiliza flores, folhas e frutas para a criação da imagem. Ao incidir sobre os pigmentos vegetais, os raios luminosos causam seu clareamento, de modo a possibilitar a impressão de imagens sobre o papel emulsionado com a tintura vegetal.

O ateliê de Romelho fica no bairro Vila Betânia, em Venda Nova do Imigrante. Quem quiser saber mais detalhes sobre seu trabalho pode ligar para o número (28) 99925-7172.

 

 

Ver comentários