Notícia

Polícia procura mãe que abandonou bebê dentro de gaveta em Marataízes

A Polícia Civil continua investigando o caso

Mãe pode comunicar ao Conselho Tutelar quando não quer ter um filho
Mãe pode comunicar ao Conselho Tutelar quando não quer ter um filho
Foto: Gustavo Ribeiro

O caso da bebê encontrada dentro de uma gaveta em Marataízes, no Litoral Sul do Estado, comoveu toda a cidade. A rua onde estava a recém-nascida é pouco movimentada nesta época do ano, porque a maioria das casas pertence a turistas ou quem aproveita o verão na cidade. 

A Polícia Civil está investigando o caso. O delegado Djalma Pereira disse que a motivação do abandono irá definir a tipificação. “Para abandono de recém-nascido é possível que essa mãe tenha problemas, como uma família que não aceitaria a criança ou o pai pode ser uma pessoa criminosa. A motivação é que vai indicar qual a tipificação, inclusive podemos chegar até a uma tentativa de homicídio, se realmente o interesse era se ver livre desse recém-nascido.”

O delegado também explicou que, caso uma mãe não tenha condições de criar o filho, ela pode informar este desejo ao Conselho Tutelar da cidade, assim não será crime. “Qualquer pessoa que engravide, e que tenha essa gravidez como indesejada ou não queira cuidar do bebe, deverá ir ao Conselho Tutelar, que vai analisar a situação psicológica da mãe ou futura mãe e levar a Justiça que a mãe colocará o bebe para adoção.”

A mulher que encontrou o bebê não quis se identificar, mas disse que pretende adotar a criança. O delegado explicou que o juiz não faz uma doação direta. “Ele vai aguardar e tentar de todas as formas, inclusive com acompanhamento psicológico e psiquiátrico, para saber se a mãe não tem condição de dar assistência a essa criança.”

Segundo a mulher que encontrou a criança, ela ficou muito assustada na hora e logo acionou o Conselho Tutelar que orientou a levá-la ao hospital. A bebê ficou internada por dois dias, no hospital Menino Jesus, em Itapemirim, cidade vizinha, e agora está em uma instituição para criança, em Marataízes.

A Polícia conta com a colaboração da população e qualquer contribuição pode ser feita por meio do Disque-Denúncia 181 ou pelo disquedenuncia181.es.gov.br, onde é possível a pessoa anexar imagens e vídeos. O sigilo e anonimato são garantidos.

Com informações de Gustavo Ribeiro.

Ver comentários