Notícia

Veículos líderes em venda têm seguro com preços mais altos

Custo anual médio do seguro pode variar entre R$ 1.800 e R$ 5.000, dependendo do modelo

Índice de roubos e furtos de alguns modelos de carros elevam valores das apólices de seguro no Estado
Índice de roubos e furtos de alguns modelos de carros elevam valores das apólices de seguro no Estado
Foto: Freepik

Na hora de comprar um carro zero ou seminovo é essencial incluir no orçamento o valor do seguro. Afinal, ninguém quer sair da concessionária e correr o risco de ter o veículo roubado ou furtado. E arcar com as prestações sem usufruir o bem.

No Estado, o custo anual médio do seguro pode variar entre R$ 1.800e R$ 5.000, dependendo do modelo do carro, comercialização e perfil do motorista, apontam os especialistas.

Leia também

Segundo o gerente da Merotto Corretora de Seguros, Jair Soares Neto, um dos carros populares mais visados para roubo e furto é o modelo Hyundai HB20, com custo anual médio de seguro entre R$ 1.800 e R$ 2.500 .

“De 2016 para cá, o veículo tem sido um dos campeões de vendas, o que o torna mais exposto ao risco, elevando o índice de roubo e furto desse modelo, fato que acaba influenciando significativamente no preço do seguro”, afirma.

Os utilitários - como o modelo Fiat Strada -também são visados para sinistros . O custo anual médio de seguro varia entre R$ 3.000 e R$ 3.500.

“Esses modelos são mais visados, porque a Grande Vitória está próxima às zonas rurais. Isso facilita a utilização do carro de forma irregular(clonagem), levando em consideração que nesses locais a fiscalização é mais difícil”, pondera Soares Neto.

O sedã médio Toyota Corolla - que está na lista dos carros mais queridos pelos capixabas - também está entre os carros mais visados pelos ladrões. O preço médio do seguro anual gira entorno de R$ R$ 2.700 e R$ 3.200. É um carro com boa comercialização no mercado e vida útil longa. “Suas peças são duráveis e de alto custo, o que atrai a atenção do mercado ilegal”, aponta o gerente da corretora de seguros.

FATORES

De acordo com o diretor do Sindicato dos Corretores de Seguros do Espírito Santo (Sincor-ES), Deusdete Mantovanelli, outros fatores são levados em consideração ao precificar o seguro, como a localização da residência.

“A seguradora vai avaliar, dentre outras informações, onde o carro vai circular e pernoitar por mais tempo, ou seja, onde o proprietário mora. Um seguro em Vitória, por exemplo, é consideravelmente mais barato do que na Serra, pois o índice de roubo e furto de veículo nessa região é menor”, esclarece Deusdete.

O diretor do sindicato dos corretores acrescenta que o perfil do motorista também é avaliado, como idade, estado civil e sexo. “Quanto mais jovem, mais caro será o contrato, pois agrava o seguro em decorrência da falta de experiência do motorista. E se for mulher, o seguro é mais barato do que para homem. Todas as informações são analisadas, com base em dados estatísticos das seguradoras”, informa Deusdete.

COMO SE PROTEGER

Alguns cuidados são essenciais para evitar roubo e furto de veículos. Segundo o corretor de seguros da Perspectiva, Rene Neves Farias, um deles é não parar o veículo em locais com pouco movimento e iluminação. “A maioria das ocorrências acontece quando o condutor está chegando ou deixando o veículo”.

Outra orientação é observar a presença de pessoas estranhas e não ficar conversando dentro ou fora do carro. “Deve-se ainda evitar o uso de celular ao entrar ou sair do automóvel. Isso acaba tirando a atenção do motorista”, orienta Neves Farias.

 

 

Ver comentários