Notícia

Provocação de Bolsonaro a presidente da OAB foi golpe baixo

É inaceitável que um presidente da República, democraticamente eleito, abuse da crueldade para defender seu ponto de vista sobre um assunto tão sensível

Jair Bolsonaro fez live enquanto cortava o cabelo
Jair Bolsonaro fez live enquanto cortava o cabelo
Foto: Reprodução/Facebook

A obsessão de Bolsonaro com o regime militar passa dos limites. Não houve nem sequer contexto para uma provocação tão sem cabimento: o presidente quis reforçar seu descontentamento com a postura da OAB no caso Adélio Bispo atacando o atual presidente da instituição, Felipe Santa Cruz, da forma mais covarde, com uma referência ao mistério que envolve o desaparecimento do pai dele, Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira,  durante a ditadura.  “Um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, eu conto pra ele. Ele não vai querer ouvir a verdade”, disse Bolsonaro.

> Leonel Ximenes: Ex-delegado do ES incinerou pai de presidente da OAB

Há pouco mais de uma semana, Bolsonaro deu mais uma de suas polêmicas opiniões sobre a ditadura, no caso comprovadamente baseada em falsas afirmações. Seu alvo, então, foi a jornalista Míriam Leitão. Bolsonaro mentiu ao afirmar que ela teria sido presa nos anos 70 ao tentar integrar a Guerrilha do Araguaia e que jamais foi torturada. Duas inverdades.

Nesta segunda-feira (29), durante transmissão ao vivo enquanto cortava o cabelo, Bolsonaro veio com mais uma informação infundada, a de que o pai de Felipe Santa Cruz teria sido morto por integrantes da própria Ação Popular, grupo de esquerda do qual fazia parte. Nada que possa ser comprovado. É papel de alguém no seu cargo divulgar meras suposições?

> Em carta, avó de presidente da OAB apelou a Geisel por paradeiro do filho

É inaceitável que um presidente da República, democraticamente eleito, abuse da crueldade para defender seu ponto de vista sobre um assunto tão sensível quanto o desaparecimento de uma pessoa em um período tão dramático para o Brasil. Mais uma vez, Bolsonaro se perde, sem compreender que a posição que ocupa exige decoro. Um presidente deve se resguardar. Não é censura ao que diz, mas mero bom senso. Após a repercussão negativa da provocação, afirmou que não pretendia “mexer com os sentimentos” do advogado. Acabou mexendo com os sentimentos de um país. Não há divergência política que justifique um golpe tão baixo.

Ver comentários