Notícia

Nível de escolaridade dos políticos do ES cresceu nos últimos anos

Desde 1998, parcela de eleitos com diploma vem crescendo. Mas perfil de políticos em cargos municipais e estaduais ainda é muito diferente

Assembleia Legislativa: nas eleições estaduais de 2018, na qual foram eleitos os parlamentares da Casa, 86% declararam ter ensino superior
Assembleia Legislativa: nas eleições estaduais de 2018, na qual foram eleitos os parlamentares da Casa, 86% declararam ter ensino superior
Foto: Marcelo Prest

Os capixabas vêm escolhendo para representá-los nas prefeituras, parlamentos e governo políticos com níveis maiores de formação educacional. Ao longo dos últimos 20 anos, tem crescido a proporção de eleitos com alguma formação acadêmica no Espírito Santo e caído a parcela daqueles que estudaram até o ensino fundamental.

A conclusão é de levantamento realizado pelo G.Dados, o grupo de jornalismo de dados da Rede Gazeta, a partir das informações prestadas pelos candidatos à Justiça Eleitoral.

A análise considerou todas as eleições realizadas no Estado entre 1998 e 2018 para os cargos de vereador, prefeito, deputado estadual, deputado federal, senador e governador.

O perfil educacional dos políticos é mais um conteúdo da série Retrato das Urnas, publicada pelo Gazeta Online desde a última segunda-feira (19). As reportagens mostraram, por exemplo, que apenas 17 parlamentares mulheres foram eleitas no Estado desde 1998 e que 44 cidades nunca tiveram um representante na Assembleia Legislativa.

Nas eleições estaduais de 1998, 60,4% dos eleitos pelos capixabas declaram o ensino superior completo. No pleito do ano passado, 86%. O aumento da presença de políticos com formação superior tem sido gradual nas eleições estaduais.

 

Nos pleitos municipais, quando são eleitos prefeitos e vereadores, políticos responsáveis pelo primeiro atendimento de demandas específicas das cidades, também há crescimento no nível de escolaridade.

Em 2000, primeira eleição municipal desta série histórica, os vereadores e prefeitos com diploma universitário eram 17,4%. Em 2016, passaram para 27,7%.

O crescimento é significativo, mas aqueles que estudaram até o ensino médio representam a maior parte dos políticos municipais. Eram 34,4%. Por último, viraram 42,8%.

 

Nem sempre foi assim. Em 2000 e 2004, o maior grupo de vereadores e prefeitos eleitos era aquele formado por lideranças que só estudaram até o ensino fundamental, concluindo-o ou não.

DOUTORES

Ter mais gente com melhor instrução formal melhora a política e a qualidade do debate sobre políticas públicas? Não necessariamente, avaliam especialistas.

O doutor em Ciência Política Paulo Edgar Resende pontua que uma maior escolaridade aumenta a tendência de um indivíduo ser mais apto a tomar melhores decisões. Mas é só isso, tendência.

Na história, temos políticos com alta escolaridade que não necessariamente fizeram boas gestões, e políticos com baixa escolaridade que foram bem. O exemplo do Lula é o mais óbvio. Goste-se ou não, ele saiu com governo bem avaliado, devido a acertadas decisões políticas que beneficiaram um número elevado de pessoas
Paulo Edgar Resende - Doutor em Ciência Política

O especialista também salienta que a democracia será melhor quanto maior for a diversidade de pessoas sendo representadas. Daí, "é plenamente compreensível e até salutar a presença de políticos com baixo nível de escolaridade e renda, já que no Brasil esse perfil social conforma uma grande parcela da população".

> Em seis meses, deputados federais e senadores do ES gastaram R$ 1,5 milhão

Político que completou apenas o Ensino Fundamental, o metalúrgico Lula está condenado e preso. O mesmo destino tiveram os "doutores" Paulo Maluf, engenheiro, e Eduardo Cunha, economista. "A formação educacional é uma coisa positiva e devemos estimulá-la, mas não é condição sine qua non (indispensável) para ser político", assinalou o historiador Rafael Simões.

REALIDADES

Adilson Espíndula (PTB) está no primeiro mandato de deputado estadual. Político baseado em Santa Maria de Jetibá, onde teve cinco mandatos de vereador consecutivos, é um dos três membros da Assembleia que declararam o Ensino Médio completo.

Filho de agricultores, conta não ter tido oportunidade de buscar um diploma, mas que aprendeu praticando os princípios da legalidade, moralidade, impessoalidade e eficiência da administração pública.

"Como vereador, sempre tive uma boa assessoria para me orientar que, aliada à minha dinâmica de trabalho incansável, me deu conhecimentos suficientes para prosseguir o meu trabalho no legislativo. Eleito deputado, sinto-me qualificado e tecnicamente preparado", disse.

> Mineiros são maioria dos "forasteiros" candidatos a deputado do ES

Historiador, o professor Rafael Simões frisa que o crescimento do nível de escolaridade dos políticos acompanha a mesma evolução na sociedade, em geral. Para ele, a característica permite que projetos sejam analisados de maneira mais qualificada.

Contudo, o avanço não é automático. "É algo positivo, mas não significa necessariamente valores, preocupação com o cidadão, com os interesses da sociedade. Nosso sistema educacional, para além de uma formação focada em conhecimento, apenas, deve apostar mais tempo na formação humana e ética", frisou.

Veja a série "Retratos das urnas" completa

> Em 20 anos, ES elegeu apenas 17 mulheres para deputadas e senadoras

> Em 20 anos, 44 cidades do ES nunca tiveram um deputado estadual

> Mineiros são maioria dos "forasteiros" candidatos a deputado do ES

> Especialistas analisam por que ES só elegeu 17 mulheres no Legislativo

Entenda: o que é o G.Dados?

É o grupo de jornalismo de dados da Rede Gazeta, que visa qualificar e ampliar a produção de reportagens baseadas em dados. Jornalismo de dados é o processo de descobrimento, coleta, análise, filtragem e combinação de dados para contar histórias.

Ver comentários