Notícia

Prefeito do ES se licencia do cargo para ir ao centenário da Revolução Comunista

Já tem gente ligando para os organizadores da visita de Bolsonaro ao ES se oferecendo para fazer a segurança do deputado

Foto: Divulgação

O prefeito de Baixo Guandu, Neto Barros (PCdoB), se licenciou da cargo no último dia 2 para participar das comemorações do centenário da Revolução Russa. Ele disse à coluna, nesta terça-feira (07) à noite, que tinha um “convite oficial”, mas optou por pagar do próprio bolso passagens e hospedagens na capital russa, onde ficará até o próximo dia 25.

Sob frio

“Vim com a caravana da excursão Brasil/Rússia organizada desde 2015”, explicou Barros. “Os políticos brasileiros bem que poderiam ver como as coisas acontecem no mundo para ver se tiramos o Brasil do século XIX”, teorizou o neobolchevique. Ontem, por volta da meia-noite em Moscou (19h em Brasília), fazia 3 graus.

O novo czar

Curiosamente, o próprio presidente da Rússia, Vladimir Putin (o cara é mau...), não mostrou nenhum entusiasmo pelos 100 anos da Revolução. O governo dele não tem se esforçado para festejar a data porque – dizem – o líder russo teme estimular movimentos populares semelhantes. Não quer ser o Nicolau II do século XXI.

A reclamação

A secretária de Cidadania e Direitos Humanos de Vitória, Nara Borgo, enviou uma carta ontem ao seu colega Júlio Pompeu, secretário estadual da Pasta. Ela reclama que o órgão estadual está divulgando, em seu site e nas redes sociais, eventos da

Semana de Consciência Negra sem mencionar a prefeitura nas programações promovidas pela PMV.

O pedido

“Solicitamos que as referidas divulgações sejam editadas, visando, inclusive, a identificação das Secretarias Municipais diretamente envolvidas com as execução das ações”, pede Nara Borgo, que finaliza agradecendo a divulgação da política e das ações da Secretaria de Cidadania e Direitos Humanos de Vitória.

Banqueiro andante

Vida de presidente do Banco Central não deve ser fácil, apesar do aparato à disposição dele. Na segunda, Ilan Goldfajn participou de um evento em Vitória, foi em seguida para outro encontro em São Paulo. Voltou para a capital capixaba ontem e logo depois embarcou para o Uruguai, onde tinha compromissos.

Barrigou

O deputado Manato, com uma barriguinha bem nutrida, roubou a cena no vídeo em que gravou com Bolsonaro nas redes sociais. Os internautas não perdoaram no Face. E ironizaram o capixaba.

Botões heróis

“Que Deus abençoe os botões da camisa do Manato para suportar a pressão”. “Mais forte que Bolsonaro em 2018 só esse botão da camisa do entrevistador”.

Spa fotográfico

Ao fim de um curso na noite de segunda, várias alunas correram pra tirar foto com Juarez Campos. “Toda mulher gosta de tirar foto comigo”, brincou o chef gordinho mais famoso do Estado.

Fome de votos

De férias, o vice-governador César Colnago almoçou ontem num restaurante do Bairro República com militantes do PSDB. Entre uma garfada e outra, pedia votos para ser o novo presidente estadual do partido.

Bicadas

Por falar nisso, o clima no ninho tucano está cada vez mais quente. Uma militante pediu formalmente à Comissão de Ética do partido que expulse Luiz Paulo Vellozo Lucas, que apoia Max Filho.

Fim da tortura

O senador Ricardo Ferraço saiu dos grupos do PSDB no WhatsApp.

No comando

Militante da causa, Fábio Veiga, de Cariacica, foi escolhido o primeiro presidente do Fórum Estadual LGBT gestão 2017/2019.

Foi golpe ou não?

Em entrevista à GAZETA ontem, vejam o que presidente do PT-ES, João Coser, disse sobre as alianças do seu partido. “A regra geral do PT é fazer poucas alianças com o PMDB ou outros que participaram do CHAMADO golpe”.

Marcação em cima

Homenageado ontem com a medalha Amigo da Marinha, o deputado Hércules Silveira deixou a cerimônia na Capitania dos Portos às 15h30 e foi direto para a sessão da Assembleia. Mesmo assim, já tinha deputado cobrando sua presença em plenário.

Disputa pelo relógio

“Como sou sempre o primeiro a chegar, os colegas que não são pontuais me vigiam”, ironizou o parlamentar.

Lula curtiu

A exemplo do Ricardo Ferraço, o senador Cristovam Buarque (PPS/DF) também se licenciou do Senado para “rodar o Brasil”. O problema (problema?) é que seu suplente é do PT.

Alô, governador!

O senhor disse que exercer três mandatos deveria ser proibido pela Constituição. E quatro, pode?

Ver comentários